O Hollywood Reporter esteve no Sundance Film Festival, e fez uma review sobre o filme ”Laggies”. Confira traduzido a seguir. CONTÉM SPOILERS.

CMBR

Keira Knightley interpreta uma jovem adulta em crise  que se torna amiga íntima de uma adolescente (Chloe Grace Moretz).

Para seu primeiro filme como diretora sem também ser roteirista, Lynn Shelton escolheu algo cujo enredo parece muito com algo que ela imaginaria. Laggies, com roteiro de Andrea Seigel , é sobre uma jovem mulher, que acha impossível passar para a próxima fase de sua vida , que recebe um salto de início, fazendo algo muito pouco convencional e , sem dúvida, estúpido. O novo filme também se move ainda mais a partir da estratégia de improvisação – pesado trabalho inicial de Shelton (se há qualquer diálogo adicionado espontaneamente aqui , o filme não mostra) , uma escolha firmemente traçada que se adapta ao filme, para que,  um pesado elenco de estrelas com Keira Knightley , Chloe Grace Moretz , e Sam Rockwell, fazer Laggies como o filme mais filme que Shelton fez, poder facilmente ter mais atenção da  bilheteria  do que todos os seus filmes anteriores juntos.

Knightley interpreta Megan, uma mulher que vai a reunião de  10 anos de seu ensino médio e percebe que muito pouco mudou . Ela ainda está em seu espírito adolescente, vivendo com seu namorado de escola Anthony ( Mark Webber) , e fazendo trabalhos bobos para seu pai (Jeff Garlin) em vez de usar os conhecimentos que ela adquiriu. Seus amigos estão se casando, tendo filhos, e ela está escapando para assistir a TV de seus pais , alegando estar procurando um conselheiro de carreira.

Quando uma perfeita tempestade de eventos de indução de ansiedade –  nada  menos do que é uma proposta de casamento surpresa de Anthony, que esta se auto-ajudando  para uma vida menos procrastinatória – envia Megan vagando sem rumo durante a noite, ela cruza o caminho de um quarteto de adolescentes. Permitindo Annika ( Moretz) de 16 anos a convencê-la a comprar cerveja, ela acaba passando metade da noite se embebedando com elas.
Logo, ela decide que ela precisa de um período de férias de sua vida. Dizendo  a Anthony que ela estará durante uma semana fora para um seminário que ele recomendou, ela em vez acaba simpatizando com Annika e passa mais tempo com  os amigos dela – algo que o pai solteiro  de Annik, Craig, ( Rockwell) acha difícil de entender.

Isso leva a uma engraçada troca de olhares questionadora vinda  de Rockwell, para nos lembrar o quão questionável é  uma jovem de 28 anos  começar a sair com garotas do ensino médio e ter festas do pijama com uma adolescente. O desempenho de Knightley, convincentemente desesperado por qualquer coisa que possa apontar para uma direção promissora , faz todo o sentido enquanto   está acontecendo. O roteiro de Seigel ganha sua parte de risos enquanto traça paralelos não muito contundentes entre os dramas adolescentes de Megan e as dificuldades que ela mesma está tendo. Algum tipo de colisão romântica entre Megan e Craig é inevitável a partir de suas primeiras cenas juntas, e o filme integra aquela atração imprudente em que caem bem em filmes adolescentes.

A partir dos valores de produção para performances do roteiro, tudo aqui é mais polido do que temos vindo a esperar de filmes adoráveis de Shelton . No entanto, o produto final ainda  parece uma peça com esse corpo de trabalho , emocionalmente otimista e confortável, com personagens que são raramente fáceis.

Fonte

# Laggies, Review