O filme “Shadow in the Cloud” venceu o prêmio People’s Choice Midnight Madness Award do Toronto International Film Festival! O prêmio é concedido ao filme cult e underground mais popular ao público que conferiu o festival.

Roseanne Liang, diretora do filme, agradeceu ao prêmio e também parabenizou Chloë e a equipe pelo trabalho duro.

# Notícias, Shadow In The Cloud

A Variety fez uma ótima review sobre “Shadow in the Cloud”, novo filme de Chloë, lançado no TIFF. Confira a seguir, CHEIO DE SPOILERS.

Imagine como Ripley de ‘Alien’ lidaria com um ataque de gremlin no estilo ‘Pesadelo a 20.000 pés’. Parece selvagem? O thriller de empoderamento feminino de Roseanne Liang segue essa premissa.

Alguns filmes exigem uma suspensão voluntária da descrença, esperando que o público ponha de lado sofismas do que é plausível, provável ou mesmo possível. “Shadow in the Cloud”, de Roseanne Liang, abre caminho para a credibilidade. Este filme de terror de alta altitude insanamente divertido – ambientado quase inteiramente a bordo de um bombardeiro B-17 da segunda guerra mundial, infestado com gremlin – pede que você verifique seu detector de mentiras interno, então decola em céus turvos, testando os limites a cada curva. Quase apenas um minuto do filme é registrado como “realista”, mas isso pouco importa, já que Liang se compromete totalmente com sua sensibilidade exagerada, que você estará segurando o apoio de braço e sorrindo de alegria durante a maior parte da viagem.

“Shadow in the Cloud” se passa em 1943, o mesmo ano em que Roald Dahl publicou “The Gremlins” e a Warner Bros. lançou “Hare Raising”, um desenho animado da Merrie Melodies no qual Pernalonga luta para impedir que uma pequena praga fofa destrua seu avião da Força Aérea ao chão. O filme começa com um vídeo de treinamento similar da Força Aérea Aliada, um rolo animado de estilo retrô alertando os pilotos sobre o risco de tais incômodos aeronáuticos – apenas os gremlins apresentados neste vídeo de segurança não são tão adoráveis.

Eles vão destruir um avião no ar se a tripulação não tomar cuidado, sugere o filme, levando a ideia desses destruidores de caos ao seu extremo mais malévolo – ainda mais do que aquele episódio clássico de “Twilight Zone” “Nightmare at 20.000 feets ”, e repetido no filme de 1983, dois marcos da cultura pop que foram influências óbvias no roteiro de Max Landis, que Liang reformulou para se adequar à sua própria agenda. Quem sabe o que Landis (um roteirista talentoso, mas problemático que foi cancelado pelo movimento #MeToo) imaginou para o filme, mas Liang transformou essa história de sobrevivência em uma parábola convincente para todas as merdas que as mulheres toleram de caras desrespeitosos. A ambientação do filme em 1943 permite que a pilota amplie o sexismo, embora a maior parte do que ela retrata ainda aconteça hoje – então essa não é a parte que prejudica a credibilidade.

O filme é estrelado por Chloë Grace Moretz, durona e sem rodeios, como a capitã da Força Aérea Auxiliar Feminina, Maude Garrett – pelo menos é assim que ela se apresenta, embora a verdadeira identidade de Garrett e a natureza de sua missão sejam um mistério em grande parte do filme. (A montagem de preparação de abertura fará muito mais sentido na segunda exibição, depois que os segredos do filme vierem à tona.) Moretz foi uma escolha inspiradora para interpretar o papel principal porque ela provou que pode arrasar (veja “Kick -Ass”), mas não necessariamente parece assim à primeira vista (especialmente não com uma bochecha machucada e o braço em uma tipóia).

Assim que Garrett pisa a bordo da Fortaleza Voadora, B-17, apropriadamente chamada de “The Fool’s Errand”, a tripulação masculina começa a assediá-la. Ela foi encarregada de transportar um pacote altamente confidencial, uma reminiscência da caixa nuclear brilhante em “Kiss Me Deadly”, e quando ela verifica se a caixa está segura em um ponto, os caras ficam sabendo: “Oh, eu tenho um pacote grande para você bem aqui, querida.” Exceto para o sargento-chefe de olhos sonhadores, Walter Quaid (Taylor John Smith), que acha esses aviadores uns idiotas da Idade da Pedra, referindo-se a ela como “dama” e “boneca”.

Mas Garrett é mais macho do que eles: ela pode suportar o abuso e pilotar um avião, e quando chegar a hora de abrir fogo contra um trio de lutadores japoneses (porque essa é outra coisa com a qual os personagens estressados têm de enfrentar neste caso, um vôo extremamente perigoso), esta “mocinha” prova ser uma atiradora melhor do que qualquer um deles. Já que ela é uma adição indesejada de última hora à lista, a tripulação a enfia no Sperry, ou torre esférica – aquele orbe pendente sob o avião que é um inferno para qualquer pessoa com vertigem.

Mais de 40 minutos do filme acontecem nessa bolha frágil, enquanto Garrett tenta negociar um mínimo de respeito de seus companheiros. Tal como acontece com a claustrofóbica viagem de carro no recente “I’m Thinking of Ending Things”, de Charlie Kaufman, é difícil tornar este alongamento tenso e interessante, mas Liang está à altura do desafio, concentrando-se na complicada política de gênero enquanto Garrett escuta as provocações dos homens, decidindo estrategicamente quando se afirmar. E justo quando o piloto manda que ela se cale, ela o vê, enrolado na parte de baixo da asa: um gremlin.

Se alguma vez houve uma oportunidade perfeita para um diretor contratar Stan Winston Studio (a casa de efeitos práticos por trás de “Aliens” e “Jurassic Park”) para criar um monstro aterrorizante na câmera que nos faria pensar duas vezes antes de voar novamente, esta foi a chance, embora a neozelandesa Liang recorra aos gurus digitais locais em Weta. O resultado é incrivelmente bem desenhado – um pesadelo nojento, semelhante a um morcego, com olhos demoníacos e garras compridas em forma de gancho – mas nunca parece realmente existir no mesmo quadro que Moretz. Então, novamente, o tom de distorção da realidade do filme ajuda nisso também, já que o público não precisa acreditar para ficar apavorado.

Não está claro por que Garrett minimiza a ameaça da besta, mesmo depois que ela começa a destruir os motores do bombardeiro, mas ela está ocupada com outras coisas suficientes – o abuso verbal da tripulação, a torre se soltando e o que quer que esteja dentro da bolsa secreta – que o filme dificilmente depende do gremlin para nos manter interessados. Na verdade, o projeto poderia ter funcionado muito bem sem ele, embora a criatura pareça a cereja no topo deste sundae louco, transformando uma história de empoderamento feminino em algo frenético e inesquecível.

Faz sentido que os colegas militares de Garrett sejam tão incompetentes em comparação? Bem, mais ou menos, uma vez que você percebe o que está dentro do pacote – ou mais precisamente, o que esses conteúdos representam, uma vez que é um exagero para aceitá-los em um nível literal. Ainda assim, esse caso explica muito seu comportamento sobre-humano. “Você não tem ideia do quão longe eu irei!” ela grita com o gremlin antes de abrir a escotilha e rastejar pela parte de baixo do B-17 em alta velocidade.

É ridículo, mas não mais do que qualquer uma das acrobacias que Vin Diesel fez nos filmes “Velozes e Furiosos”. Em um certo ponto, a inacreditabilidade de tudo se torna a diversão – considere a reação boquiaberta que um soldado dá à incrível reentrada de Garrett na fuselagem – enquanto Liang faz camadas de violões e música electro-synth estilo giallo do compositor Mahuia Bridgman-Cooper para causar efeito. Os caras têm feito esse tipo de bobagem maluca da tela verde há muito tempo, e agora é a vez dela tentar, então por que se conter? Com um Moretz totalmente comprometida em quem confia, Liang está livre para atirar na lua. Ela nem mesmo precisa manter a aterrissagem, já que desmontar esta caixa de brinquedos voadora e jogá-la no chão é muito mais gratificante.

Fonte

# Review, Shadow In The Cloud

O Screen Daily fez uma breve review sobre o filme ‘Shadow in the Cloud’ estrelado por Chloë e exibido no TIFF, onde descobrimos mais um pouco sobre seu roteiro. Confira a seguir COM SPOILERS:

Uma mulher suficientemente motivada é uma força temível e imparável: a premissa central para este alegre terror polpudo da Segunda Guerra Mundial coloca uma pitada de fúria feminista em um cenário de filme B chocante. Nele, Chloë Grace Moretz interpreta Maude Garrett, uma oficial aviadora com ordens de última hora para embarcar em um avião que sai da Base Aérea Aliada de Auckland. Durante uma viagem agitada, ela deve enfrentar dois monstros separadamente. Um é o patriarcado. O outro é quase tão cansativo e implacável. Uma combinação de restrições orçamentárias e dispositivos de enredo um tanto rebuscados significa que este é um filme com uma abordagem elástica para a credibilidade. Mas o público do gênero preparado para abraçar a exuberante tolice de streaming de alguns aspectos deve se divertir com esta colisão de política sexual e perigo aéreo.

Este é o segundo longa-metragem de ficção da diretora neozelandesa Roseanne Liang (My Wedding And Other Secrets) e, com a escalação de Moretz no papel principal, representa um movimento em direção a um perfil mais internacional. E embora o filme não entregue os sustos necessários para envolver totalmente os fãs do gênero mainstream, o senso evocativo de período de Liang e a tensão opressiva devem atrair a atenção.

O filme canaliza seu orçamento para as áreas onde é mais necessário, mantendo as locações ao mínimo. Muito disso acontece com Maude e a câmera amontoada na torre de bolas na parte inferior do avião, onde toda a equipe masculina a empurrou para mantê-la fora do caminho durante a decolagem. Mas isso não a impede de ouvir uma torrente de sexismo casual pelo sistema de comunicação. Tendo subido na aeronave com um pacote precioso, papéis do alto comando e um sotaque inglês, Maude logo se livra do último, e as perguntas começam a crescer entre a turbulenta tripulação sobre os dois primeiros.

Mas, como Maude tenta sem sucesso convencê-los, eles têm mais com que se preocupar do que a questão de saber se seus papéis são legítimos ou não. Aviões de caça japoneses os perseguem. E há outra ameaça, mais perto de casa. Algo está no avião com eles e suas intenções são ruins. Em relação a este último, e sem revelar muito, cabe questionar sobre a motivação do clandestino que parece querer arrancar pedaços da fuselagem até o avião cair – com ele, presumivelmente, ainda a bordo. Mas então, este é um filme que convida a muitas perguntas picantes – como, por exemplo, quando Maude é forçada a se agarrar à parte de baixo da asa de um avião voando que está sendo metralhado por balas, ela consegue manter o cabelo tão imaculadamente penteado? Por que, quando o filme se passa durante a Segunda Guerra Mundial, a trilha tem tantos sintetizadores inspirados nos anos 80 do estilo Morodor? E será que o momento logo após a descoberta de uma besta do inferno com garras inclinada sobre uma lata – abrindo o avião em pedaços seria realmente o momento em que os membros da tripulação mergulhariam em uma revelação profunda sobre seu status de relacionamento?

O prazer do filme é inversamente proporcional ao quanto o público se preocupa em obter respostas satisfatórias para essas perguntas. E como é emocionante ver os dois monstros derrotados com suas próprias armas.

Produtoras: Endeavor Content, Automatik, Four Knights Film, Rhea Films, Hercules Film Fund

Vendas internacionais: Endeavor Content

Produtores: Tom Hern, Brian Kavanaugh-Jones, Kelly McCormick, Fred Berger

Roteiro: Roseanne Liang, Max Landis

Edição: Tom Eagles

Cinematografia: Kit Fraser

Design de produção: Gary Mackay

Música: Mahuia Bridgman-Cooper

Elenco principal: Chloë Grace Moretz, Nick Robinson, Beulah Koale, Taylor John Smith, Callan Mulvey, Benedict Wall, Joe Witkowski, Byron Coll

Fonte

# Review, Shadow In The Cloud

Durante o remoto TIFF deste ano, Chloë concedeu algumas entrevistas para falar sobre seu mais novo filme, Shadow in the Cloud. Confira um trecho do conteúdo da Variety Studio:

Chloe Grace Moretz admitiu que sua personagem em ‘Shadow in the Cloud’ é “um pouco egoísta”.

A atriz de 23 anos estrela como uma pilota da Segunda Guerra Mundial no suspense de ação que segue a oficial Maude Garrett, e Moretz prometeu algo diferente do blockbuster.

Falando durante o virtual Variety Studio, no Toronto International Film Festival, ela disse: “Esta é uma heroína que não vimos antes, no sentido de que ela é um pouco egoísta.”

“Ela toma algumas decisões que podem não ser para um bem maior; pode ser apenas para um bem singular.”

“Esses tipos de ideais, vimos em muitos personagens masculinos diferentes, especialmente em um cenário da Segunda Guerra Mundial.”

A escritora e diretora Roseanne Liang admitiu que queria representar as mulheres de uma forma realista, em vez de dar à personagem um brilho hollywoodiano.

Ela explicou: “Tem havido muita discussão sobre filmes de empoderamento feminino e como não há falhas, não há erros.”

“E você não pode realmente se relacionar com isso porque não é assim que somos em nosso mundo.”

“Então, quando você a coloca nessa situação de adversidade… acho que a bagunça improvisada disso é emocionante de se assistir e também se conecta a nós.”

Moretz e Liang estão mantendo os principais detalhes em segredo antes do lançamento completo do filme, mas a cineasta se abriu sobre um gremlin que ataca o avião de Garrett em vôo.

Ela acrescentou: “Há uma relevância histórica para os gremlins, eles começaram na Guerra Mundial. Por que Gremlims para Garrett? É uma metáfora.”

O filme também é estrelado por Nick Robinson e Callan Mulvey, com nomes como Taylor John Smith, Beulah Koale e Benedict Wall completando o elenco.

Fonte

# Entrevista, Notícias, Shadow In The Cloud