Ela arrebentou bundas na série “Kick-Ass”, mas agora com 17 anos, Chloë Grace Moretz é alvo para suas cordas do coração com seu novo filme “Se Eu Ficar”, agora nos cinemas. No filme, baseado no popular romance jovem-adulto de Gayle Forman de mesmo nome, Moretz interpreta uma musicista cujo espírito fantasmagórico deve decidir se vai lutar por sua vida após um acidente de carro que matou sua família e colocou seu corpo em coma. Aqui, a atriz fala com a TIME sobre o papel, aprender a tocar violoncelo e por que ela é “a pior” em cultura pop.

Seu personagem, Mia, é uma violoncelista que se apaixona por um roqueiro punk. Você é uma pessoa clássica ou uma pessoa punk?
Sou um pouco de ambas. Realmente não tenho uma opinião tendenciosa sobre exatamente o que eu gosto. É tudo o que é meu estado de espírito no momento, o que estou sentindo nesse momento.

Nos shows, você fica no fundo e evitar a roda punk, como Mia?
Oh, não, não sou tímida em tudo quando se trata de concertos. Estou faço papel de boba.

Então, este filme é exatamente o dramalhão.
Definitivamente. Eu chorei a primeira vez que li o livro.

É mais legal fazer as pessoas chorarem em filmes agora?
Com certeza. Acho que acontece mais do que costumava.

Olhando sua filmografria, com certeza você faz muitos filmes sobre a morte.
Eles têm temas muito pesados. Atuar para mim não é apenas ser feliz, despreocupado. Essa é a minha vida real. Atuar para mim é fazer o oposto do que eu sou.

Você aprendeu a tocar violoncelo para este filme. Será que a prática deixou seus pais loucos, como no filme?
Sim, a minha mãe dizia, “Eu tenho que lidar com você fingindo tocar um instrumento por tanto tempo? É meio doloroso”.

Mas você parece bem!
Fiquei melhor nisso do que imaginei, mas não fui eu a maior parte do tempo.

Você teve uma dublê de mão?
Eu tinha uma dublê de corpo.

Espere, eles podem fazer isso digitalmente em filmes??
Sim, eles só colocam minha cabeça nisso. É super louco.

Você é uma colegial. Tem de interpretar uma adolescente estressada pela faculdade a fez mais ou menos interessados em se candidatar?
Acho que vou levar dois anos fora para ver o que é e, em seguida, ir para a escola de edição de filmes e cinema.

Permita-me atormentar: o que você vai escrever em sua redação de candidatura?
Eu provavelmente diria que tenho meu trabalho desde que tinha 5 anos, e que fui capaz de aprimorá-lo e criar uma carreira.

Difícil argumentar com isso.
Acho que as faculdades procuram por pessoas assim, que tiveram uma paixão por um longo tempo ou que foram capazes de tornarem-se incrivelmente diligentes e fundamentadas, quando a maioria das pessoas não pode fazer isso em uma idade jovem.

Este filme tem uma ótima trilha sonora. Você chegou a contribuir com as suas escolhas?
Você sabe o momento violoncelo quando a menina faz um cover de [Beyoncé] “Halo”?

Sim.
Eu achei essa artista online e enviei para [o diretor] R.J. Cutler e ela fez isso no filme simplesmente porque eu a encontrei online e me apaixonei por sua música.

O que mais está em seu radar?
Honestamente, eu sou a pior na cultura pop. Acho que estou realmente a par da cultura pop e, em seguida, não estou. Encontro adolescentes de 13 anos e eles estão falando em uma linguagem que eu não entendo.

Então você não pode me dizer o que é legal para os adolescentes nos dias de hoje?
Exatamente. Eu tenho literalmente nenhuma ideia.

Fonte

# Entrevista, If I Stay