Categoria: Notícias

A Vanity Fair trouxe com exclusividade as três primeiras imagens oficiais de Chloë Moretz como Georgia em “Mother/Android”, filme que será lançado pelo Hulu em 17 de dezembro. Confira a seguir, juntamente com um artigo traduzido, repleto de SPOILERS:

Mother/Android – ambientado em um futuro próximo, MOTHER/ANDROID segue Georgia (Chloë Grace Moretz) e seu namorado Sam (Algee Smith) em sua jornada traiçoeira de fuga enquanto seu país é pego em uma guerra inesperada com inteligência artificial. Dias antes da chegada de seu primeiro filho, eles devem enfrentar Na Terra de Ninguém – uma fortaleza da revolta andróide, na esperança de alcançar a segurança antes do parto.

Chloë Grace Moretz estrela uma história surpreendentemente íntima sobre a criação de uma nova vida em um mundo agonizante.

Parece estranho afirmar que um épico apocalíptico de ficção científica sobre uma revolta de robôs é, na verdade, um drama familiar profundamente pessoal, mas essa é a verdadeira história por trás de Mother/Android.

Chloë Grace Moretz interpreta Georgia, uma estudante universitária de 19 anos que descobre que está grávida na noite em que uma legião de robôs, dos quais a sociedade passou a usar para o trabalho, encenam uma revolta em massa, exterminando seus senhores humanos e espalhando sobreviventes pelo deserto. Ela e seu namorado Sam (Algee Smith) – que não tinham certeza se queriam continuar namorando, muito menos se tornarem pais – agora são refugiados que dependem um do outro para sobreviver enquanto ela tenta trazer seu bebê ao mundo sob a mais cruel e mortal dos condições.

O escritor e diretor Mattson Tomlin (co-escritor de The Batman, do ano que vem) usou de resquícios de sua experiência pessoal para a história, que estreia em 17 de dezembro no Hulu. Na vida real, ele era o bebê. “O filme é uma adaptação muito livre da minha história de adoção”, disse Tomlin à Vanity Fair. “Nasci em 1990, logo após a revolução romena. Eu nasci em Bucareste. E a história é uma recontagem usando as três ou quatro coisas que sei sobre minha origem. Meus pais eram extremamente jovens e descobriram que estavam grávidos – e então o mundo deles explodiu.”

Os protestos iniciais que levaram à queda do ditador romeno Nicolae Ceaușescu em 1989 resultaram na morte inicial de 162 manifestantes. Mais de 1.100 morreriam nos eventos que se seguiram à medida que décadas de governo comunista chegassem a um fim agonizante. Tomlin conhece apenas fragmentos de como seus pais biológicos lidaram com a situação, então ele usou sua imaginação – e seu amor obsessivo por narrativas de gênero – para preencher o resto.

“Passei anos tentando descobrir qual seria meu primeiro filme”, diz Tomlin. “Eu inventei muitos roteiros diferentes, muitas histórias diferentes, e era muito ‘Cachinhos Dourados: esse é muito grande’. Este é muito pequeno. Finalmente, um amigo meu disse: ‘Você precisa parar de escrever todas essas idéias diferentes e apenas fazer algo que é tão cruelmente pessoal que você seria a única pessoa no mundo que poderia fazer isso.”

Em Mother/Android, a desumanidade da qual o casal foge assume a forma de seres que se parecem conosco e soam como nós, além de olhos que às vezes brilham com lentes reflexivas côncavas, como o olhar de um animal noturno apanhado por um raio de lanterna. Por baixo de seus rostos humanos cotidianos, esses robôs – que trabalharam como garçons, motoristas, mordomos e balconistas – têm endosquelêtôs de metal aterrorizantes, máquina de força implacável e inteligência de colmeia. “Só quando os andróides começam a ficar danificados é que eles se revelam”, diz Tomlin. “Isso criou algumas possibilidades narrativas de Georgia e Sam estarem na floresta. Por que eles não estão com um grande grupo? É porque você não pode confiar em mais ninguém. Você não sabe muito bem quem são as pessoas. Você acaba não sendo capaz de depender de seu próximo, porque eles são mesmo seus semelhantes?”

Compartilhar a história completa do que aconteceu aos pais biológicos de Tomlin revelaria aspectos-chave da trama, mas basta dizer que ele só está vivo porque sua mãe, assim como Geórgia, astutamente navegou por provações indescritíveis. “Você tem uma mulher de 19 anos, e o mundo dela virou de cabeça para baixo. O país ao seu redor está pegando fogo, e ela não tem boas opções pela frente”, diz ele.

Mães duronas são um tropo clássico da ficção científica, mas é raro que uma mulher grávida de nove meses seja a salvadora, a líder e a lutadora em um gênero de ação-aventura. “Eu queria alguém que, é claro, pudesse ser forte, mas acho que em Hollywood existe essa tendência de pensar que uma mulher forte significa apenas: cerrar os dentes e ter uma arma”, diz Tomlin. “Também há muita força em ser vulnerável. E Chloë foi uma parceira incrível para mim ao fazer este filme, porque teríamos muitas conversas sobre o que é a força feminina e quando essa vulnerabilidade aparece e quando essas inseguranças aparecem. Machucar, sentir dor, isso não é fraqueza. Isso é apenas ser humano.”

Sam está fazendo o possível para ser útil, mas há uma razão pela qual Georgia nunca teve certeza de que ele era o certo para ela. Ele é impulsivo, cabeça quente e, às vezes, simplesmente está perdido. Tanto Geórgia quanto o público ficam se perguntando: é esse o cara com quem eu quero sobreviver ao apocalipse?

“Não ter isso como um ‘sim’ infalível … isso é interessante”, diz Tomlin. “Esse empurrar e puxar tinha a ver com a criação de um relacionamento real. Não é que eles estejam completamente apaixonados, de ponta-cabeça, e morreriam um pelo outro desde o início. Esperançosamente, no final do filme, você chega a um ponto em que se sente como, Oh, eles ganharam o direito de chamar um ao outro de família.”

O casal não está completamente sozinho. Eles procuram a ajuda de pequenos postos avançados de militares sobreviventes, mas não são exatamente bem-vindos. Para os soldados reais, eles são um fardo, um par de consumidores de recursos. E ninguém realmente se importa se Georgia está grávida. Não há lugar para eles na pousada.

Um homem que escolheu ajudar o casal é Arthur, um eremita e aparentemente louco, interpretado por Raúl Castillo. Ele é um ex-programador de computador que desenvolveu uma capa recortada e salpicada de luz que pode distorcer os receptores visuais dos andróides. Essencialmente, é camuflagem. Mas ele exorta a Geórgia a usá-lo como pretendido: como uma forma de se esconder, não como uma ferramenta para resgatar outras pessoas.

“Ela o conhece nesta área que todos chamam de Terra de Ninguém porque não há pessoas. Está lotado de andróides”, diz Tomlin. Arthur também é um sobrevivente, mas ver Georgia grávida o leva a desconsiderar seus instintos usuais. “Você tem a sensação de que este homem tem histórias de terror de todas as pessoas que ele perdeu. E ele está olhando para ela como um caminho de redenção.”

Fonte | Tradução: CMBR

# Galeria, Mother/ Android, Notícias, Stills

As primeiras entrevistas de Chloë Moretz sobre “A Família Addams 2: Pé na Estrada” começaram a ser liberadas e traduzimos as do Screenrant e Collider. Confira:

Screen Rant

Screen Rant: Eu amo que esta seja a vez da Wandinha entrar em sua própria crise existencial. Você pode falar sobre como foi a explorar encontrando o seu lugar no mundo?

Chloë Grace Moretz: Foi exatamente como me senti. Sinceramente, fiquei muito empolgada quando começamos a gravar e descobrir que ela era uma personagem intrínseca à essa história e a todo o filme. Nós realmente seguimos sua história de maturidade, com ela realmente descobrindo se ela é uma Addams ou não?

Foi muito divertido encontrar os novos tons da Wandinha e descobrir como soavam aqueles vocais, e como transmitir sentimentalismo e coisas assim em um personagem que é 90% do tempo monótono e quase sociopata.

Foi um pouco estonteante e divertido, e um quebra-cabeça para montar. Mas acho que nos divertimos muito, e os roteiristas fizeram um trabalho tão bom com os elementos da comédia dentro da história. Honestamente, é engraçado demais em alguns momentos.

Divertir-se não é exatamente a ideia de passa-tempo de Wandinha, mas nós temos uma viagem inteira com a Família Addams. Em que lugar você se divertiu mais mostrando que ela não estava se divertindo?

Chloë Grace Moretz: Eu realmente amei a frase em que sua mãe dizia, “Como você está, querida?” E ela disse, “Estou olhando para o Canadá, se isso diz alguma coisa.” Achei a sequência das Cataratas do Niágara tão engraçada. O Canadá é incrível; todas as coisas boas no Canadá, mas que frase engraçada. É tão Addams, e é tão Wandinha.

Acho que a sequência das Cataratas do Niágara e a do Grand Canyon [foram as minhas favoritas]. Também a sequência do concurso! A sequência do desfile é uma das coisas mais engraçadas. Ela olha para o pai e pensa: “Isso não vai acabar bem para você.” Ver Wandinha com uma peruca loira foi assustador. Absolutamente aterrorizante. Eu estava tipo, “Não! Quem fez isso com ela?”

A Família Addams é literalmente sempre sobre família; o que significa ser uma Addams e o que significa ser uma família. Para você, pessoalmente, qual é o vínculo entre eles que os torna tão poderosos?

Chloë Grace Moretz: Eu acho que é a capacidade deles de permitir que eles sejam eles mesmos. Eles não tentam realmente classificar um ao outro e realmente não tentam conter um ao outro; eles têm permissão para ser quem eles são, descaradamente.

Acho que é algo que sempre fiz com os Addams, com certeza. Sempre encontrei uma sensação de conforto na dinâmica familiar deles; quão estranho é e quão excêntrico é.

Somos todos Addams honorários.

Esperançosamente, teremos muitas outras aventuras por vir. Agora que Wandinha superou esse obstáculo específico, há algo que você gostaria que ela explorasse em sua vida ou na dinâmica familiar a seguir?

Chloë Grace Moretz: Seria interessante ver Wandinha começar a namorar. Adoraria ver como seria se Wandinha gostasse de alguém porque a vimos navegar sozinha. Eu acho que foi realmente maravilhoso vê-la crescer dessa forma e se tornar sua própria pequena dama nesta família e ser respeitada como uma. Acho que seria interessante vê-la flertar. Como Wandinha soaria quando estivesse flertando? Eu adoraria saber.

Ou lidar com alguém tentando dizer a ela o que fazer. E ela fica tipo, “O quê? Com ​​licença?” Seria interessante ver um romance adolescente com Wandinha.

O que foi mais diferente em gravar dessa vez? Você gravou durante a pandemia ou já foi quase todo feito antes?

Chloë Grace Moretz: Não, começamos a gravá-lo no meio da pandemia. Começamos na minha casa em Los Angeles, e então acabei tendo que sair e começar a filmar em Boston. Então, acabamos gravando predominantemente do meu closet em um apartamento em Boston. Sim, estava em todo o lugar.

Acho que se algo pode ser feito na pandemia, a dublagem foi a coisa perfeita. Então, eu me senti muito sortuda por ter sido uma válvula de escape criativa em uma época em que, infelizmente, não havia muitas oportunidades para muitas pessoas.

Collider

Collider: Agradeço por falar comigo sobre isso. Eu amo a Família Addams. Eu amei o antigo programa de TV. Eu amei os filmes live-action. Eu me divirto muito com esses filmes animados. Como você canaliza sua Wandinha interior? Há alguma coisa que você faça para voltar imediatamente à voz e à mentalidade dela?

CHLOE GRACE MORETZ: Eu acho que o mais importante é tentar realmente descobrir sua entonação e sua vocalidade nas vogais. Algo que eu realmente encontrei no primeiro filme e o que surpreendeu a todos nós foram suas pronúncias estranhas de palavras e como ela provavelmente nunca disse essas coisas antes. Então, eu realmente tentei focar nisso e entrar no espaço onde ela ainda está observando e entendendo e chegando quase ao século 21. Ela saiu de 1700 e quase entrou no século 21.

Quando você a expressa, você faz alguma coisa para entrar no personagem? Mesmo que isso seja animado e nós não vemos você, você se veste de uma maneira particular ou muda sua fisicalidade quando a está expressando?

MORETZ: Eles sempre nos gravam enquanto estamos fazendo nossas vozes porque eles realmente mapeiam na animação, muitas vezes, o que fazemos com nossos rostos. Eu adoraria ver essas gravações porque eu realmente me envolvo, cem por cento. Você começa a fazer pequenas coisas como ela e a fazer pequenas coisas estranhas com seu rosto, então cem por cento, você tem que entrar nisso. Você tem que entrar fisicamente nisso porque, se não fizer isso, soa simplista. Quando falamos na vida real, ficamos muito animados. Acho que há um trocadilho em algum lugar. Então, quando você está fazendo animação, tem que estar tão animado quanto na vida real, se não mais. É tentar aumentar a aposta ao mesmo tempo em que interpreta um personagem que é predominantemente monótono. É tentar andar nessa corda bamba.

Mesmo que a Família Addams seja tão conhecida e icônica como personagens, esta versão parece um pouco diferente. O que você gosta no visual e na personalidade dela e nesta Wandinha específica?

MORETZ: Isso foi algo muito divertido no começo destes filmes. Todos nós realmente queríamos evitar os diferentes tipos de Addams que vieram antes de nós e realmente começar a adicionar um novo sabor a ele. Isso foi algo que eles me disseram, desde o início. Eu estava tipo, “Até onde posso ir com minha própria opinião sobre Wandinha?” E eles estavam basicamente tipo, “Vá em frente. Vá em frente e veja onde ele mora em você.” E então, eu realmente tentei encontrar minha própria Wandinha e encontrar algo diferente para o público, porque é algo que eu realmente amo, assistir remakes, é quando as pessoas têm sua própria opinião sobre o personagem e seu próprio ritmo sobre o personagem. Isso era algo que realmente queríamos modernizar e ver como seria.

Wandinha tem um pouco de crise de identidade neste filme.

MORETZ: Um pouco.

Vê-la tentar se encaixar em outra família realmente ajudou a solidificar por que ela pertence à Família Addams para você?

MORETZ: Oh, com certeza. Ela com gola olímpica e jaleco, de jeito nenhum. Isso não é Wandinha Addams. E então, ela chamando Morticia de Morticia, em vez de mãe, eu fiquei tipo, “Ah, não! Não faça isso!” Mas cem por cento, mesmo que ela não fosse parente de sangue, ela é uma Addams, não importa o que aconteça. Algo que adoro nessa história também é a ideia da família escolhida e como, no final, ela escolhe ser uma Addams, não importa o que aconteça, mesmo sendo uma Addams.

O que você mais gosta no processo de fazer o trabalho de dublagem? A sensação é diferente quando você está dando voz a um personagem famoso, em vez de apenas um animal que você não poderia ser na vida real?

MORETZ: Oh, cem por cento. Você realmente quer entrar na fisicalidade, quando você está sendo uma pessoa, e você realmente quer tentar personificá-los de uma forma que eles se sintam humanos e sintam que podem sair da tela. Quando você realmente entra no ponto ideal é quando você assiste ao filme e se sente emocionado e maravilhado com a emoção. Com este, com certeza, eu definitivamente chorei no final. Fiquei realmente comovida com essa visão desse filme.

Você sabe o que vem por aí para você, no que diz respeito a live-action e podermos vê-la em sua própria forma?

MORETZ: Sim. Tenho o Mother/Android saindo em 17 de dezembro. Eu vou lançar um monte de coisas sobre isso em breve. E então, atualmente, estou filmando uma série para a Amazon, dos criadores de Jonah Nolan e Lisa Joy, chamada The Peripheral.

E isso também é ficção científica, certo?

MORETZ: É muito ficção científica, sim.

O que a atraiu nesse projeto e que tipo de abordagem de ficção científica é?

MORETZ: Acho que William Gibson é um grande escritor. Sempre me interessei pela escrita dele. É um livro maravilhoso. E então, trazendo isso para a atmosfera de Jonah e Lisa, em Kilter, que estão produzindo isso. Sempre adorei a visão dele sobre projetos e sempre amei a visão dela sobre projetos, e acho que eles são realmente brilhantes. Eles reuniram um elenco e uma equipe realmente maravilhosos para isso e um ótimo showrunner (Greg Plageman). É minha primeira incursão na TV e mal posso esperar que as pessoas vejam o que pensam dessa história. Realmente lida com ideais muito realistas, para o que estamos passando atualmente no mundo, ao ponto de, quando estávamos filmando a série, pensamos: “Não estamos realmente em um futuro distópico, mas nós estamos apenas em um documentário sobre nós?” Então, foi divertido. Tem sido incompreensível. Tem sido complicado, mas divertido. Acho que as meias vão explodir um pouco, por causa disso. É complicado.

# A Família Addams, Entrevista, Notícias

A divulgação de “A Família Addams 2: Pé na Estrada” começou! Hoje foram liberadas as primeiras entrevistas de Chloë para falar sobre o filme, que estreia nos EUA em 1 de outubro. Confira:

# A Família Addams, Entrevista, Notícias, Vídeos

O Telecine lançou em seu catálogo de streaming no sábado o filme “Uma Sombra Na Nuvem”, que conta com Chloe como a personagem principal, Maude Garrett. A notícia é do site Adoro Cinema, confira:

Prontos para conhecer mais uma mulher poderosa do mundo do cinema? Um dos grandes lançamentos de abril, Uma Sombra na Nuvem já chegou ao catálogo do streaming do Telecine e ganha superestreia no Telecine Premium, também neste sábado (17), às 22h. Estrelado por Chloë Grace Moretz, o filme promete agradar aos fãs de aventuras e mistério, com aquela pegada básica de empoderamento feminino, que é sempre bom, não é mesmo?

Chloë Grace Moretz é conhecida por obras como Se Eu Ficar e Kick-Ass: Quebrando Tudo (também disponíveis na Telecine), mas assume uma heroína completamente diferente em Uma Sombra na Nuvem. Ela interpreta Maude Garrett, uma piloto durante a Segunda Guerra Mundial, cuja missão é proteger e entregar um pacote ultra secreto.

Para isso, ela embarca num avião recheado de homens, que desprezam suas experiências e habilidades, além de suspeitar das suas intenções. Porém, quando surge uma criatura maligna dentro da aeronave, Maude precisa lutar numa guerra sobrenatural, além de superar uma emboscada aérea para cumprir sua tarefa… E sobreviver, é claro.

“Quando comecei a filmar, não imaginava que fosse precisar usar tanta força física. Foi a coisa mais maluca que já fiz. Eu adorei fazer tantas cenas de ação e ficou bom para caramba”, fala Chloë em making-of divulgado na página do filme no Telecine.

Shadow in the Cloud (no original) conta com direção de Roseanne Liang, que também reescreveu o roteiro, já que ficou interessada pela jornada da protagonista Maude. “Ela é uma heroína excepcional, de um jeito que nunca vi antes. Nós queríamos fazer um filme de guerra diferente de qualquer outro filme de guerra. É uma montanha-russa desgovernada, mas no bom sentido”, diz a cineasta em making-of.

Originalmente criada por Max Landis (Poder Sem Limites), a história é livremente inspirada num episódio da clássica série Além da Imaginação, intitulado “Pesadelo a Dois Mil Pés”, onde apenas um passageiro observa uma presença estranha no avião. Já os efeitos especiais são feitos pela empresa Weta Digital, de Peter Jackson (trilogia O Senhor dos Anéis).

Por fim, a aventura ainda promove uma nova parceria de Chloë Grace Moretz com o ator Nick Robinson, com quem contracenou em outro drama fantasioso: A 5ª Onda. O elenco de Uma Sombra na Nuvem ainda é formado por Beulah Koale, Taylor John Smith e Benedict Wall.

Lançamento Première Telecine, selo que traz produções inéditas e exclusivas para o Brasil, Uma Sombra na Nuvem chega à sessão superestreia no Telecine Premium, às 22h, e na plataforma de streaming no sábado (17). Se você ainda não é assinante do serviço de streaming do Telecine, é possível testar o serviço gratuitamente por trinta dias.

Clique aqui para assinar o Telecine

# Filmes, Notícias, Shadow In The Cloud