Categoria: Artigos

O Collider apurou com exclusividade que Chloë Moretz seria a voz da protagonista de uma animação com temática LGBTQ+ da Disney, cancelada por conta da venda do estúdio Blue Sky, adquirido pela empresa durante a compra da 20th Century Fox, em 2019. A personagem seria uma garota metamorfa chamada Nimona, que dá nome ao filme, cujo gênero é fluído (queer).

Fontes dizem que a Blue Sky continua explorando suas opções em um esforço para terminar o filme de animação queer inclusivo.

No mês passado, a Disney anunciou que em breve fecharia o Blue Sky Studios, com sede em Connecticut, que adquiriu como parte de sua fusão de 2019 com a 20th Century Fox. De acordo com o Buzzfeed News, a decisão deixou o filme de animação da Blue Sky, Nimona, no limbo, algo que foi particularmente desanimador já que o filme estava prestes a se tornar o primeiro longa-metragem de animação da Disney a mostrar personagens principais queer, bem como um beijo do mesmo sexo.

Agora, Collider soube exclusivamente que Chloë Grace Moretz e Riz Ahmed teriam dublado dois dos três personagens principais em Nimona, e que o projeto inacabado foi colocado à venda na esperança de encontrar um novo lar, embora não houvesse interesse por nenhum comprador ainda.

Fontes próximas à situação disseram ao Collider que a liderança da Blue Sky continua explorando opções para terminar o filme. Fontes dizem que cerca de 75% do trabalho em Nimona foi concluído, mas ainda faltavam outros 10 meses de produção, deixando a Disney com uma difícil decisão de negócios a tomar. Se os principais executivos do estúdio tivessem gostado do que viram do filme até agora, é seguro dizer que o estúdio teria feito um esforço maior para continuar com a produção.

Infelizmente, o ano passado foi desafiador para toda a indústria, incluindo a Disney, e fontes dizem que manter um terceiro estúdio de animação de longa-metragem não era mais viável devido às atuais realidades econômicas causadas pela pandemia. Não é nenhum segredo que a Disney foi duramente atingida pelo COVID-19, e não apenas no lado do estúdio, mas também em parques temáticos e cruzeiros.

Nimona surgiu como uma webcomic criada pela artista Noelle Stevenson que mais tarde foi publicada como uma história em quadrinhos pela HarperCollins em 2015. O filme segue uma caótica metamorfa chamada Nimona que se junta ao vilão Lord Ballister Blackheart para encontrar o suposto herói da história, Sir Ambrosius Goldenloin.

Fontes dizem que Moretz foi escalada como a personagem-título – que um funcionário da Blue Sky descreveu ao Buzzfeed como uma “protagonista não-conformista de gênero” – e na verdade gravou cerca de metade de suas falas para o filme. Enquanto isso, Ahmed teria interpretado Blackheart, que, de acordo com Buzzfeed, compartilha uma história romântica com Goldenloin. Os dois personagens masculinos não apenas dizem “eu te amo” em determinado momento, mas também se beijam com ternura.

Os funcionários da Blue Sky foram informados em 9 de fevereiro de que a Disney estava fechando a empresa e demitindo toda a equipe, citando as consequências econômicas do COVID-19. Nimona não foi a única vítima, pois houve relatos no início desta semana de que a empresa fecharia 60 de suas lojas Disney na América do Norte nos próximos meses.

“Dadas as atuais realidades econômicas, depois de muita consideração e avaliação, tomamos a difícil decisão de fechar as operações de filmagem no Blue Sky Studios”, disse um porta-voz da Disney ao Collider, repetindo sua declaração anterior dada ao Buzzfeed.

Embora seja verdade que a Disney mal disse uma palavra sobre Nimona desde a aquisição da 20th Century Fox e suas subsidiárias em 2019, seria imprudente sugerir que a falta de apoio público do estúdio se deve aos temas do filme. Embora um funcionário da Blue Sky tenha apontado que a Disney não “tem um grande histórico de criação de mídia queer-inclusiva”, eles também notaram que, nas palavras de Buzzfeed, “não há uma conexão clara entre o conteúdo do filme e o fechamento do estúdio”.

Embora eu me sinta mal por toda a equipe do Blue Sky, por ter sido demitida de vários empregos, me sinto ainda pior que seu trabalho árduo em Nimona pode nunca ver a luz do dia – especialmente devido aos temas queers (LGBTQ+) do filme, que poderiam ter causado um impacto real no público jovem e potencialmente mudado a vida de algumas crianças. O que mais você pode pedir de um filme de animação?

Os chefes do estúdio podem não ter achado que Blue Sky tinha o mesmo histórico de ouro dos estúdios de animação Pixar e Walt Disney, mas a empresa é responsável pela franquia de sucesso A Era do Gelo, assim como pelos filmes do Rio e um punhado de outros filmes de animação que arrecadou entre $ 225 milhões e $ 300 milhões em todo o mundo, o que não é nada desprezível.

Não sei qual teria sido o preço final de Nimona – animação tecnicamente avançada nunca é barata – mas estou um pouco surpreso que ainda não tenha havido ofertas sérias de streamers, à medida que o projeto inovador começa eu como um bom ajuste para Netflix, Amazon ou HBO Max, todos os quais parecem ansiosos para competir com o streamer rival Disney + no espaço animado.

Uma coisa é clara, porém, e é o fato de que, embora o histórico da Disney em relação a histórias e personagens queer possa não ser grande, o estúdio está abraçando um futuro mais inclusivo. Eternals da Marvel contará com o primeiro super-herói abertamente gay do MCU, bem como um beijo do mesmo sexo, enquanto o comediante inglês Josh Whitehall interpreta um personagem gay em Jungle Cruise e aparecerá no filme para o capitão de barco que aceita Dwayne Johnson.

Em outro lugar, LeFou (Josh Gad) de ‘Bela e a Fera’ foi o primeiro personagem canonicamente gay da Disney (por mais sutil que fosse sua sexualidade), e havia um suposto casal de lésbicas na sequência da Pixar ‘Procurando Dory’. A Pixar também lançou o refrescante curta-metragem de animação Out, que tem um protagonista gay masculino, na Disney + em maio passado, embora, como observa Buzzfeed, Nimona tenha sido o primeiro longa-metragem da Disney com protagonistas queer. Esperamos que uma serpentina cheia de bolsos venha em seu socorro, porque Nimona parece um filme importante que exige ser visto.

Fonte

# Artigos, Destaque, Nimona

O site Film News UK comentou a recente entrevista de Chloe à revista Flaunt, confira a matéria traduzida pelo CMBR a seguir:

Chloe Grace Moretz nunca saiu dos trilhos enquanto estrela infantil por causa do apoio constante de sua família.

A atriz de 21 anos, que vem atuando profissionalmente desde 2004, credita o clã Moretz por ajudá-la a navegar pelos altos e baixos de estar sob o olhar público.

“Minha família tem sido minha identidade”, disse ela à revista Flaunt. “Eu não saberia o que fazer sem eles em muitos aspectos – nós trabalhamos juntos, nós vivemos juntos, somos todos os melhores amigos uns dos outros e tudo mais, realmente.”

“Ter o apoio deles na minha vida tem sido uma das grandes razões pelas quais fui capaz de navegar nesta indústria e não cair na escuridão que é muito, muito real nesta indústria.”

De acordo com a Flaunt, a mãe de Chloe, Teri, e seu irmão Brandon, a ajudam com o lado comercial de sua carreira, enquanto seu irmão Trevor a ajuda com sua atuação. Ela também tem seus irmãos Colin e Ethan. Seu pai, o cirurgião plástico McCoy Moretz, deixou a casa da família quando Chloe tinha 13 anos.

Enquanto a estrela de Carrie gosta de deixar seu trabalho falar, ela está feliz em expressar suas opiniões sobre as injustiças dentro de sua indústria escolhida, mas está aborrecida por ter conseguido o rótulo de “sincera” simplesmente porque é uma mulher.

“Foi ao longo de toda a minha carreira, na verdade. Eu me deparei com padrões duplos, sendo apenas uma jovem que teve uma carreira substancial. Eu tive que lutar para ser ouvida“, a atriz suspirou.

“Se eu fosse homem, não seria uma questão de saber se meu conselho para a minha personagem seria ou não algo que elas olhariam para. E, em vez disso, eu tive que implorar por uma audiência de altos escalões, só para fazer com que eles me escutassem. Os homens não têm que lutar por sua voz nesse sentido. Eles são apenas uma espécie e dado à plataforma, enquanto para mim, sempre foi uma luta, uma luta e um pedido de desculpas – sendo como, “Oh, esta é a minha ideia, mas desculpe por interpor!”

Fonte

# Artigos, Destaque, Entrevista, Feminismo

O site Indiewire publicou parte de uma entrevista onde Chloe falou sobre seu mais novo filme de suspense, “Suspiria“. A atriz afirmou que fala alemão no filme e não se parece com ela mesma, confira:

É difícil encontrar muitas informações sobre “Suspiria” de Luca Guadagnino, mas pelo menos uma pessoa assistiu ao filme todo: Chloë Grace Moretz, que interpreta Patricia Hingle no filme de terror que está por vir, a personagem interpretada por Eva Axén no original. Descrita por Guadagnino como uma “homenagem” em vez de um remake do clássico de 1977 de Dario Argento, “Suspiria” estrela Dakota Johnson como uma aspirante à dança moderna que descobre algo maligno em sua nova academia de dança. Uma cena pré-exibida deixou o público em estado de choque, com um membro da imprensa chamando-o de “uma das coisas mais fodidas que eu já vi na CinemaCon”.

“Esta é uma afirmação realmente grande, mas este é o mais próximo do Stanley Kubrick moderno que eu já vi”, disse Moretz em um evento durante o Provincetown Film Festival no início deste mês. “Você é colocado em um mundo, que eu posso descrever apenas como ‘O Iluminado’ de várias maneiras, onde você está apenas cercado no cérebro de um cineasta e você está apenas implantado lá, e não há nada que você jamais verá.”

Moretz esteve em Provincetown com seu novo filme, de Desiree Akhavan, “The Miseducation of Cameron Post”, e para receber o prêmio Next Wave do festival. Com uma série de filmes de terror de Moretz, (ela estrelou em “Let Me In” e “Carrie”), e sua mais próxima aparição em “Suspiria”, seu destino é selado como uma das principais atrizes do moderno terror de autoria. Então você pode acreditar quando ela diz: “Esse foi um filme louco de se fazer parte.”

“Aqui está a coisa, é tão secreto que está super bloqueado”, disse ela, quando perguntada se sua personagem era uma bailarina. “É secreto e eu quero que seja secreto, porque vocês vão ficar tão chocados. É selvagem. É uma loucura.” Ela fez um comentário sobre sua personagem: “Eu posso dizer isso, eu falo principalmente alemão no filme. Então você não vai me reconhecer muito bem. Eu pareço uma pessoa diferente e soo como uma pessoa diferente.”

Moretz não tinha nada além de elogios a Guadagnino, que ela descreveu como “incrivelmente suportivo”. “É diferente de qualquer outro processo de direção do qual eu já fiz parte. É o Luca. Luca é Luca e não há como confundir isso com qualquer outra coisa”, disse ela. “Ele deixará você fazer as coisas mais loucas na tela e não piscará, ele dirá para você ir mais longe.”

“Suspiria” também conta com a regular Tilda Swinton de Guadagnino como a sinistra diretora Madame Blanc, bem como a estrela de “A Cure for Wellness”, Mia Goth. A Amazon Studios lançará “Suspiria” nos cinemas em 2 de novembro de 2018.

FonteTradução: Bruna Rafaela – CMBR

# Artigos, Entrevista, Notícias, Suspiria

O USA Today publicou hoje matéria sobre “A 5ª Onda”, com comentários de Chloë Moretz, do diretor J Blakeson e de Rick Yancey, autor do livro que deu origem ao filme. Leia a tradução a seguir.

Garotas geralmente têm outras coisas suficientes para se preocupar do que com extraterrestres disfarçados tentando acabar com a humanidade.

Chloë Grace Moretz estrela como Cassie Sullivan, uma colegial de 17 anos, que tem de enfrentar um mundo destruído para encontrar seu irmão perdido e lutar contra os vis Outros, no filme sci-fi “A 5ª Onda” (nos cinemas dos EUA em 15 de janeiro). O thriller é dirigido por J Blakeson (“The Disappearance of Alice Creed”) e adaptado do primeiro livro (2013) da trilogia jovem-adulto de Rick Yancey.

“Adolescentes sempre se sentem como se o mundo estivesse acabando, e, neste caso, isso acontece para ser verdade”, diz Blakeson. “É a história de uma garota crescendo, entrando na vida adulta antes que ela esteja pronta”.

No filme, os Outros chegam em grandes naves espaciais para uma população mundial desavisada, mas em vez de atacar marcos e monumentos, eles têm intenções mais sinistras. Primeiro, emitem uma explosão de pulso eletromagnético para jogar a sociedade no caos, em seguida, eles causam enormes maremotos para aniquilar as principais cidades costeiras, espalhando uma epidemia que mata milhões. Finalmente, revelam que têm habitado corpos humanos secretamente, para minar a humanidade de dentro para fora.

A misteriosa quinta onda, porém, é o golpe mortal final de malevolência dos Outros, e Cassie, já tendo lidado com a tragédia, é forçada a deixar de lado sua antiga vida para sempre, para salvar seu irmão mais novo quando ele é sequestrado.

“Como todos os adolescentes, ela quer ser independente e estar longe de seus pais e se apaixonar, e ela quer que a ação e aventura e coisas aconteçam para ela”, Blakeson explica. “Ela pega todos os seus desejos, mas os recebe da pior maneira possível”.

Quando Cassie, suja e quase feroz, anda em um posto de gasolina aparentemente abandonado no início do filme, Moretz “era muito parecida com o personagem, da forma como eu imaginava suas reações a essa situação”, diz Yancey, cujo livro final da trilogia “5ª Onda”, “The Last Star”, será lançado em 24 de maio de 2016. (O segundo romance, “The Infinite Sea”, foi lançado no ano passado.)

Moretz imagina que a adaptabilidade de Cassie é uma de suas maiores forças. “Qualquer que seja a situação em que ela é colocada, ela vai trabalhar duro o suficiente para tentar ser a melhor que pode nisso”.

Leia mais

# Artigos, Entrevista, The 5th Wave