Sejam bem-vindos ao Chloe Moretz Brasil, sua principal fonte sobre a atriz americana, conhecida pelos papéis de Hit-Girl em Kick-Ass, Mia em Se eu Ficar e Cassie Sullivan em A 5ª Onda. O CMBR é um site feito de fã para fã, com o objetivo de informar e entreter aqueles que acompanham a carreira de Chloe. Sintam-se livres para desfrutar e compartilhar nosso conteúdo, que varia desde fotos, vídeos, notícias, à matérias traduzidas. Voltem sempre!

A revista “Gay Times” trouxe em sua edição do mês de Setembro Chloë Moretz em sua capa, com um photoshoot exclusivo e uma entrevista onde a atriz fala sobre porquê ela é a defensora LGBTQ mais sincera de Hollywood. Confira as fotos disponíveis na galeria e a entrevista traduzida a seguir!

“De todos os filmes que eu fiz, este é o único sobre o qual as pessoas precisam falar – elas precisam assisti-lo”, diz Chloë Grace Moretz. “Isso vai mudar você.”

Isso pode soar como uma frase padrão PR-friendly que é ensinada na lição número um da Escola de Treinamento de Mídia de Hollywood, mas neste caso acreditamos que ela seja infinitamente mais genuína do que isso. Por quê? Porque o filme em questão é The Miseducation of Cameron Post – uma adaptação do romance adolescente de mesmo nome, da autora Emily M. Danforth, lançado em 2012.

Chloë Grace Moretz – a jovem atriz que você viu em Kick-Ass e na sua sequência, no remake de Carrie e Vizinhos 2, entre outros filmes de grande orçamento – assume o papel principal aqui; uma adolescente queer que foi pega pelo seu par do baile da escola fazendo sexo com sua namorada após o baile, para então ser levada para a Promessa de Deus, um campo de terapia de conversão em Montana. Quando estreou no Festival de Cinema de Sundance no início deste ano, foi recebido com elogios pela crítica. Tanto, que saiu com o Grande Prêmio do Júri para o Drama Americano – amplamente considerado como a maior honra do festival.

“Basicamente, eu tive uma pausa na atuação por um segundo para descobrir onde eu queria estar na minha carreira, o conteúdo que eu queria lançar e o que era mais importante para mim”, Chloë nos disse quando perguntamos em que ponto, ao ler o roteiro, ela sabia que precisava fazer parte desse projeto. “O primeiro filme que realmente marcou todas as opções para mim e acendeu um fogo embaixo de mim foi Cameron Post. Foi realmente isso que me fez querer entrar neste projeto e fazer parte dele – e foi por uma infinidade de razões.”. O principal, ela diz, foi porque ela estava completamente inconsciente do quão problemático terapia de conversão de problemas era – e continua a ser – na América.

As estatísticas são de partir o coração: há atualmente 700.000 pessoas na América afetadas pela terapia de conversão, enquanto estima-se que mais 77.000 jovens serão submetidos à prática antiética nos próximos cinco anos. Não há absolutamente nenhuma evidência confiável de que esse método pseudocientífico seja eficaz. Na verdade, praticamente todos os respeitáveis especialistas científicos e médicos consideram a possibilidade de tentar mudar a sexualidade de alguém de bissexual ou homossexual para heterossexual através de meios psicológicos ou espirituais podem ser seriamente prejudicial. No entanto, a terapia de conversão até agora só foi proibida em 14 estados dos EUA, e isso é apenas quando se trata de menores de idade. No Reino Unido, o governo está finalmente procurando banir a prática depois de anos de campanha de ativistas LGBT.

“É um problema que nunca desapareceu”, diz Chloë. “O filme é ambientado em 1993, então, de certa forma, você pode ver e pensar que é diferente agora, mas na verdade não é. No máximo, é mais falado, é mais comentado e mais acessível. Existem sites agora que irão ajudá-lo a encontrar qualquer terapeuta em um raio de 10 milhas de sua casa que você pode levar seu filho amanhã. Então isso se tornou muito prontamente disponível e isso realmente me chocou”.

O que é ainda mais chocante, Chloë acrescenta, é o quão longe está a terapia de conversão. “Está em todas as religiões, em todos os espaços socioeconômicos, em todas as raças, é uma questão incrivelmente difundida.” E é aí que entra o poder da arte. Quando Chloë diz que esse é o único filme dela que ela precisa que as pessoas vejam, é porque isso pode ajudar a mobilizar uma verdadeira mudança social quando se trata da conversa sobre terapia de conversão. “Espero que, com pessoas que estão sendo educadas, isso as ajude a se tornarem defensoras para derrubar e tornar isso ilegal em seu país e cidade.”

Quando Chloë diz isso, nem mesmo é dirigido apenas à comunidade LGBTQ, mas pessoas fora do arco-íris que poderiam estar completamente inconscientes de que esses problemas reais ainda persistem na sociedade. E a arma secreta de The Miseducation of Cameron Post? Um grande impacto emocional que seria difícil para alguém resistir a se conectar.

“O que é maravilhoso sobre este filme é que não parece que você está tomando um remédio quando está assistindo – é incrivelmente educativo e você descobre muita informação, mas é contada através de relacionamentos muito interpessoais que são facilmente acessados por aqueles que ainda não estão na comunidade”, diz Chloë, antes de acrescentar: “Para destacar outra coisa, eu diria que o importante deste filme é que é um filme queer contado por pessoas queer. Nossa diretora [Desiree Akhavan] é bissexual e todos no filme estão no espectro e são contados pela comunidade para a comunidade. É através da nossa lente. Essa é a coisa mais importante que podemos fazer – que não estamos apenas aproveitando a história.”

Para Chloë, isso significava investigar profundamente o papel e falar com as vítimas da terapia de conversão. Ela conheceu muitos sobreviventes que estavam a apenas dois ou três anos de sua terrível experiência, mas o que a deixou surpresa foi que sua ideia de que tipo de pessoa poderia ser submetida a essa prática estava completamente errada. “Fiquei realmente surpresa com a diversidade da terapia de conversão”, lembra ela. “Na minha cabeça, quando ouço terapia de conversão, a primeira coisa que pensei foi o cristianismo e, obviamente, famílias altamente estritamente religiosas. Mas então você começa a falar com esses sobreviventes e é muito mais insidioso. Atravessa fronteiras socioeconômicas e raciais. Por exemplo, a história de um homem é que seu pai o colocou em terapia de conversão porque seu ele era um imigrante de outro país. Ele trabalhou muito, muito duro para ganhar dinheiro e o respeito que ele tem agora neste país, então aos seus olhos, ele pensou que estava dando ao seu filho mais oportunidades no mundo, tirando o gay dele. Eu nunca pensei nisso. Foi um ponto de entrada realmente chocante na terapia de conversão que eu não tinha pensado.”

A diversidade da terapia de conversão é implementada no filme por meio do personagem Adam Good Eagle, de Forest Goodluck, que vem de um grupo Nativo Americano, e da personagem brilhantemente nomeada de Sasha Lane, Jane Fonda, que cresceu em uma comunidade. “Não existe uma única face na terapia de conversão, já que não há uma única face de pessoas gays – é tão diversa quanto pode acontecer”, acrescenta Chloë.

O que ele destaca é o quanto a homofobia é difundida em diferentes contextos culturais, sociais e econômicos, e quão difundida ela permanece na sociedade. “Há uma quantidade chocante de homofobia casual”, concorda Chloë. “É a homofobia que vem na forma de: ‘Tudo bem se (a parte gay) estiver lá, mas não a traga para minha casa.’ É essa forma latente e insidiosa de homofobia que agora, na América em particular com essa administração, estamos vivendo sobre, você vê pessoas que talvez tivessem essas idéias de retórica homofóbica, mas agora elas sentem que têm uma plataforma para poder olhar para você e dizer: ‘Você é gay, eu não quero você perto de mim, perto minha família, ou certamente me trazendo comida ou trabalhando comigo. ‘É chocante, é assustador.’

Ah, aí está. Não demorou muito para a palavra T aparecer nesta conversa: Trump. Chloë explica que a produção de The Miseducation of Cameron Post na verdade começou enquanto Barack Obama ainda estava na Casa Branca. Donald Trump e Hillary Clinton estavam lutando nas eleições presidenciais de 2016 durante a primeira metade das filmagens, mas quando aquela noite fatídica em novembro aconteceu, tudo mudou. “Todos nós fomos para a cama uma noite pensando que Hillary Clinton seria nossa presidente no dia seguinte, e nós acordamos descobrindo que agora Trump é o presidente eleito”, lembra Chloë. “Naquele momento, esse filme se tornou uma das coisas mais impactantes que poderíamos estar fazendo, e acendeu um novo fogo debaixo de nós. Sempre foi importante para nós fazermos o filme, mas agora tornou-se importante para a América ver o filme”.

Esse peso adicional de importância tornou The Miseducation of Cameron Post uma peça de ativismo ainda mais vital e muito necessária. “Isso é o que a arte deveria ser”, diz Chloë. “No estado atual da América, se você não tiver uma mensagem que está divulgando, se não tiver algum tipo de ativismo, por que você está fazendo isso? Eu quero que este filme seja uma plataforma. Eu quero que este filme comece uma conversa e ajude a fazer lobby contra a terapia de conversão na América. Na verdade, estou voando para a DC para fazer uma exibição, conversar com alguns políticos e conversar sobre o lobby contra a terapia de conversão gay nos Estados Unidos.”

Não precisamos lembrar você de que o atual vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, tem um histórico terrível quando se trata de apoiar os direitos LGBT. Quando ele estava concorrendo ao Congresso em 2000, ele disse publicamente que os recursos deveriam ser dados a “instituições que fornecem assistência àqueles que buscam mudar seu comportamento sexual”. Isso foi amplamente interpretado como apoio à terapia de conversão. Desde então, ele promoveu a legislação anti-LGBT em nome de sua fé religiosa.

O uso da religião como munição para reforçar visões preconceituosas e conservadoras desempenha um papel importante em The Miseducation of Cameron Post. Como mencionamos, Cameron é enviada para a promessa de Deus; um lugar onde “psicólogos” usam a religião para fazer essas crianças se sentirem antinaturais por serem gays. Tendo crescido na Geórgia, que é um estado muito conservador, Chloë experimentou o fanatismo baseado puramente em crenças religiosas em primeira mão. “O preconceito que vimos para a nossa família depois que meus irmãos se assumiram foi chocante, com certeza”, diz ela. “Há muitas pessoas da nossa pequena cidade que nos trataram de forma diferente e trataram meus irmãos de forma diferente. A maneira como eu os vi intimidados e ostracizados foi chocante. O que mais me deixou triste foi que as pessoas armavam algo que não é inerentemente negativo.”

“A religião não é inerentemente negativa”, continua Chloë. “É a má interpretação da mesma e o armamento dela que se torna abusivo. Há muita retórica realmente assustadora na interpretação da Bíblia – o modo como as pessoas podem realmente manipulá-la. Isso quebra meu coração porque você pode fazer isso com qualquer religião, você pode fazer isso como um ateu, você pode ser um extremista de qualquer forma. É realmente doloroso ver as pessoas usarem algo que poderia ser esclarecedor, mas transformá-lo em abuso assim.”

Depois que seus irmãos se assumiram, a defesa de Chloë para as pessoas LGBT foi solidificada e ela continua a apoiar a comunidade de qualquer maneira que puder. “Foi algo sem pensar para mim”, ela sorri. “O relacionamento mais saudável que eu já vi e com o qual cresci não foi o dos meus pais, foi o do meu irmão e do namorado dele que estão juntos – até hoje – há 11 anos. Esse foi o meu relacionamento parental mais saudável que eu já vi. Isso me deu fé e esperança de que você possa encontrar alguém que você ame verdadeiramente por um longo período de tempo. Mas, para mim, é interessante que não tenha sido a sua típica unidade familiar nuclear – é meu irmão gay e seu namorado.”

Essa experiência teve um efeito profundo em sua visão de mundo, transformando-a em um dos aliados mais sinceros da comunidade. “Eu fui realmente abençoada porque cresci tão aberta a isso”, diz Chloë. “Eu cresci lutando em favor deles porque parte meu coração ver que sim, eles podem se defender, mas as pessoas não escutam. Então eu tomei a bênção de ir lá e falar sobre isso, e dizer às pessoas: ‘Hey, ser gay não é nada demais. Mas tenha orgulho e esteja lá fora e levante a bandeira. Seja uma parte da comunidade e seja para a comunidade. ”Então, nunca foi uma pergunta para mim se eu seria ou não uma defensora, e o que isso significou para o meu coração e como isso me moldou.”

Mas quando se trata de ser um bom aliado para a comunidade LGBT, existem regras – regras pelas quais o Chloë vive. “Em primeiro lugar, não leve histórias”, diz ela. “Deixe as histórias de outras pessoas se sustentarem. Muitas pessoas tentam fazer essas histórias sobre si mesmas e é como se você não fosse um salvador. Como defensor, você não é um salvador, você não tem forma de salvar ninguém, mas precisa apenas abrir os ouvidos e ouvir. Você é uma caixa de ressonância. Você é um microfone. Você é alguém que pode amplificar a voz dos outros. Isso é o que é importante. Não pegue a história e, em seguida, seja como “É tão importante para mim, porque estou fazendo isso”. É como “Não, você está apenas preparando o palco. É isso aí. Você está apenas dando às pessoas uma plataforma que, esperamos, seja capaz de gritar ainda mais alto e levá-la a algo que elas não teriam de outra forma.”

Então, quando Chloë Grace Moretz reitera, pela segunda vez durante essa conversa, que “de todos os filmes que eu fiz na minha carreira – o que é uma quantidade justa, já que eu fiz sessenta e alguma coisa em 15 anos – eu diria que este é o filme do qual mais me orgulho”, acreditamos incondicionalmente. “Eu vou voltar a este filme até o final”, acrescenta ela. “Espero que abra seu coração. Espero que lhe dê uma nova perspectiva de algo – mesmo que você saiba sobre a comunidade ou a terapia de conversão. Espero que isso lhe dê uma nova conexão com isso. E espero que isso seja visto – que abra os olhos e eduque as pessoas”. Amém.

FonteTradução: Bruna Rafaela – CMBR

Chloë Moretz Brasil é um fansite não-oficial sem fins lucrativos. Não possuímos nenhum contato com a Chloë, seu agente, sua família, amigos, etc. Pedimos que os arquivos traduzidos pela equipe do site, assim como conteúdos pesquisados e editados por nós, sejam sempre creditados quando usados em outro site. Se há algo seu aqui e você gostaria que nós retirássemos, por favor entre em contato conosco antes de tomar qualquer ação legal.