O Screen Daily fez uma breve review sobre o filme ‘Shadow in the Cloud’ estrelado por Chloë e exibido no TIFF, onde descobrimos mais um pouco sobre seu roteiro. Confira a seguir COM SPOILERS:

Uma mulher suficientemente motivada é uma força temível e imparável: a premissa central para este alegre terror polpudo da Segunda Guerra Mundial coloca uma pitada de fúria feminista em um cenário de filme B chocante. Nele, Chloë Grace Moretz interpreta Maude Garrett, uma oficial aviadora com ordens de última hora para embarcar em um avião que sai da Base Aérea Aliada de Auckland. Durante uma viagem agitada, ela deve enfrentar dois monstros separadamente. Um é o patriarcado. O outro é quase tão cansativo e implacável. Uma combinação de restrições orçamentárias e dispositivos de enredo um tanto rebuscados significa que este é um filme com uma abordagem elástica para a credibilidade. Mas o público do gênero preparado para abraçar a exuberante tolice de streaming de alguns aspectos deve se divertir com esta colisão de política sexual e perigo aéreo.

Este é o segundo longa-metragem de ficção da diretora neozelandesa Roseanne Liang (My Wedding And Other Secrets) e, com a escalação de Moretz no papel principal, representa um movimento em direção a um perfil mais internacional. E embora o filme não entregue os sustos necessários para envolver totalmente os fãs do gênero mainstream, o senso evocativo de período de Liang e a tensão opressiva devem atrair a atenção.

O filme canaliza seu orçamento para as áreas onde é mais necessário, mantendo as locações ao mínimo. Muito disso acontece com Maude e a câmera amontoada na torre de bolas na parte inferior do avião, onde toda a equipe masculina a empurrou para mantê-la fora do caminho durante a decolagem. Mas isso não a impede de ouvir uma torrente de sexismo casual pelo sistema de comunicação. Tendo subido na aeronave com um pacote precioso, papéis do alto comando e um sotaque inglês, Maude logo se livra do último, e as perguntas começam a crescer entre a turbulenta tripulação sobre os dois primeiros.

Mas, como Maude tenta sem sucesso convencê-los, eles têm mais com que se preocupar do que a questão de saber se seus papéis são legítimos ou não. Aviões de caça japoneses os perseguem. E há outra ameaça, mais perto de casa. Algo está no avião com eles e suas intenções são ruins. Em relação a este último, e sem revelar muito, cabe questionar sobre a motivação do clandestino que parece querer arrancar pedaços da fuselagem até o avião cair – com ele, presumivelmente, ainda a bordo. Mas então, este é um filme que convida a muitas perguntas picantes – como, por exemplo, quando Maude é forçada a se agarrar à parte de baixo da asa de um avião voando que está sendo metralhado por balas, ela consegue manter o cabelo tão imaculadamente penteado? Por que, quando o filme se passa durante a Segunda Guerra Mundial, a trilha tem tantos sintetizadores inspirados nos anos 80 do estilo Morodor? E será que o momento logo após a descoberta de uma besta do inferno com garras inclinada sobre uma lata – abrindo o avião em pedaços seria realmente o momento em que os membros da tripulação mergulhariam em uma revelação profunda sobre seu status de relacionamento?

O prazer do filme é inversamente proporcional ao quanto o público se preocupa em obter respostas satisfatórias para essas perguntas. E como é emocionante ver os dois monstros derrotados com suas próprias armas.

Produtoras: Endeavor Content, Automatik, Four Knights Film, Rhea Films, Hercules Film Fund

Vendas internacionais: Endeavor Content

Produtores: Tom Hern, Brian Kavanaugh-Jones, Kelly McCormick, Fred Berger

Roteiro: Roseanne Liang, Max Landis

Edição: Tom Eagles

Cinematografia: Kit Fraser

Design de produção: Gary Mackay

Música: Mahuia Bridgman-Cooper

Elenco principal: Chloë Grace Moretz, Nick Robinson, Beulah Koale, Taylor John Smith, Callan Mulvey, Benedict Wall, Joe Witkowski, Byron Coll

Fonte

# Review, Shadow In The Cloud