Categoria: Review

A Variety fez uma ótima review sobre “Shadow in the Cloud”, novo filme de Chloë, lançado no TIFF. Confira a seguir, CHEIO DE SPOILERS.

Imagine como Ripley de ‘Alien’ lidaria com um ataque de gremlin no estilo ‘Pesadelo a 20.000 pés’. Parece selvagem? O thriller de empoderamento feminino de Roseanne Liang segue essa premissa.

Alguns filmes exigem uma suspensão voluntária da descrença, esperando que o público ponha de lado sofismas do que é plausível, provável ou mesmo possível. “Shadow in the Cloud”, de Roseanne Liang, abre caminho para a credibilidade. Este filme de terror de alta altitude insanamente divertido – ambientado quase inteiramente a bordo de um bombardeiro B-17 da segunda guerra mundial, infestado com gremlin – pede que você verifique seu detector de mentiras interno, então decola em céus turvos, testando os limites a cada curva. Quase apenas um minuto do filme é registrado como “realista”, mas isso pouco importa, já que Liang se compromete totalmente com sua sensibilidade exagerada, que você estará segurando o apoio de braço e sorrindo de alegria durante a maior parte da viagem.

“Shadow in the Cloud” se passa em 1943, o mesmo ano em que Roald Dahl publicou “The Gremlins” e a Warner Bros. lançou “Hare Raising”, um desenho animado da Merrie Melodies no qual Pernalonga luta para impedir que uma pequena praga fofa destrua seu avião da Força Aérea ao chão. O filme começa com um vídeo de treinamento similar da Força Aérea Aliada, um rolo animado de estilo retrô alertando os pilotos sobre o risco de tais incômodos aeronáuticos – apenas os gremlins apresentados neste vídeo de segurança não são tão adoráveis.

Eles vão destruir um avião no ar se a tripulação não tomar cuidado, sugere o filme, levando a ideia desses destruidores de caos ao seu extremo mais malévolo – ainda mais do que aquele episódio clássico de “Twilight Zone” “Nightmare at 20.000 feets ”, e repetido no filme de 1983, dois marcos da cultura pop que foram influências óbvias no roteiro de Max Landis, que Liang reformulou para se adequar à sua própria agenda. Quem sabe o que Landis (um roteirista talentoso, mas problemático que foi cancelado pelo movimento #MeToo) imaginou para o filme, mas Liang transformou essa história de sobrevivência em uma parábola convincente para todas as merdas que as mulheres toleram de caras desrespeitosos. A ambientação do filme em 1943 permite que a pilota amplie o sexismo, embora a maior parte do que ela retrata ainda aconteça hoje – então essa não é a parte que prejudica a credibilidade.

O filme é estrelado por Chloë Grace Moretz, durona e sem rodeios, como a capitã da Força Aérea Auxiliar Feminina, Maude Garrett – pelo menos é assim que ela se apresenta, embora a verdadeira identidade de Garrett e a natureza de sua missão sejam um mistério em grande parte do filme. (A montagem de preparação de abertura fará muito mais sentido na segunda exibição, depois que os segredos do filme vierem à tona.) Moretz foi uma escolha inspiradora para interpretar o papel principal porque ela provou que pode arrasar (veja “Kick -Ass”), mas não necessariamente parece assim à primeira vista (especialmente não com uma bochecha machucada e o braço em uma tipóia).

Assim que Garrett pisa a bordo da Fortaleza Voadora, B-17, apropriadamente chamada de “The Fool’s Errand”, a tripulação masculina começa a assediá-la. Ela foi encarregada de transportar um pacote altamente confidencial, uma reminiscência da caixa nuclear brilhante em “Kiss Me Deadly”, e quando ela verifica se a caixa está segura em um ponto, os caras ficam sabendo: “Oh, eu tenho um pacote grande para você bem aqui, querida.” Exceto para o sargento-chefe de olhos sonhadores, Walter Quaid (Taylor John Smith), que acha esses aviadores uns idiotas da Idade da Pedra, referindo-se a ela como “dama” e “boneca”.

Mas Garrett é mais macho do que eles: ela pode suportar o abuso e pilotar um avião, e quando chegar a hora de abrir fogo contra um trio de lutadores japoneses (porque essa é outra coisa com a qual os personagens estressados têm de enfrentar neste caso, um vôo extremamente perigoso), esta “mocinha” prova ser uma atiradora melhor do que qualquer um deles. Já que ela é uma adição indesejada de última hora à lista, a tripulação a enfia no Sperry, ou torre esférica – aquele orbe pendente sob o avião que é um inferno para qualquer pessoa com vertigem.

Mais de 40 minutos do filme acontecem nessa bolha frágil, enquanto Garrett tenta negociar um mínimo de respeito de seus companheiros. Tal como acontece com a claustrofóbica viagem de carro no recente “I’m Thinking of Ending Things”, de Charlie Kaufman, é difícil tornar este alongamento tenso e interessante, mas Liang está à altura do desafio, concentrando-se na complicada política de gênero enquanto Garrett escuta as provocações dos homens, decidindo estrategicamente quando se afirmar. E justo quando o piloto manda que ela se cale, ela o vê, enrolado na parte de baixo da asa: um gremlin.

Se alguma vez houve uma oportunidade perfeita para um diretor contratar Stan Winston Studio (a casa de efeitos práticos por trás de “Aliens” e “Jurassic Park”) para criar um monstro aterrorizante na câmera que nos faria pensar duas vezes antes de voar novamente, esta foi a chance, embora a neozelandesa Liang recorra aos gurus digitais locais em Weta. O resultado é incrivelmente bem desenhado – um pesadelo nojento, semelhante a um morcego, com olhos demoníacos e garras compridas em forma de gancho – mas nunca parece realmente existir no mesmo quadro que Moretz. Então, novamente, o tom de distorção da realidade do filme ajuda nisso também, já que o público não precisa acreditar para ficar apavorado.

Não está claro por que Garrett minimiza a ameaça da besta, mesmo depois que ela começa a destruir os motores do bombardeiro, mas ela está ocupada com outras coisas suficientes – o abuso verbal da tripulação, a torre se soltando e o que quer que esteja dentro da bolsa secreta – que o filme dificilmente depende do gremlin para nos manter interessados. Na verdade, o projeto poderia ter funcionado muito bem sem ele, embora a criatura pareça a cereja no topo deste sundae louco, transformando uma história de empoderamento feminino em algo frenético e inesquecível.

Faz sentido que os colegas militares de Garrett sejam tão incompetentes em comparação? Bem, mais ou menos, uma vez que você percebe o que está dentro do pacote – ou mais precisamente, o que esses conteúdos representam, uma vez que é um exagero para aceitá-los em um nível literal. Ainda assim, esse caso explica muito seu comportamento sobre-humano. “Você não tem ideia do quão longe eu irei!” ela grita com o gremlin antes de abrir a escotilha e rastejar pela parte de baixo do B-17 em alta velocidade.

É ridículo, mas não mais do que qualquer uma das acrobacias que Vin Diesel fez nos filmes “Velozes e Furiosos”. Em um certo ponto, a inacreditabilidade de tudo se torna a diversão – considere a reação boquiaberta que um soldado dá à incrível reentrada de Garrett na fuselagem – enquanto Liang faz camadas de violões e música electro-synth estilo giallo do compositor Mahuia Bridgman-Cooper para causar efeito. Os caras têm feito esse tipo de bobagem maluca da tela verde há muito tempo, e agora é a vez dela tentar, então por que se conter? Com um Moretz totalmente comprometida em quem confia, Liang está livre para atirar na lua. Ela nem mesmo precisa manter a aterrissagem, já que desmontar esta caixa de brinquedos voadora e jogá-la no chão é muito mais gratificante.

Fonte

# Review, Shadow In The Cloud

O Screen Daily fez uma breve review sobre o filme ‘Shadow in the Cloud’ estrelado por Chloë e exibido no TIFF, onde descobrimos mais um pouco sobre seu roteiro. Confira a seguir COM SPOILERS:

Uma mulher suficientemente motivada é uma força temível e imparável: a premissa central para este alegre terror polpudo da Segunda Guerra Mundial coloca uma pitada de fúria feminista em um cenário de filme B chocante. Nele, Chloë Grace Moretz interpreta Maude Garrett, uma oficial aviadora com ordens de última hora para embarcar em um avião que sai da Base Aérea Aliada de Auckland. Durante uma viagem agitada, ela deve enfrentar dois monstros separadamente. Um é o patriarcado. O outro é quase tão cansativo e implacável. Uma combinação de restrições orçamentárias e dispositivos de enredo um tanto rebuscados significa que este é um filme com uma abordagem elástica para a credibilidade. Mas o público do gênero preparado para abraçar a exuberante tolice de streaming de alguns aspectos deve se divertir com esta colisão de política sexual e perigo aéreo.

Este é o segundo longa-metragem de ficção da diretora neozelandesa Roseanne Liang (My Wedding And Other Secrets) e, com a escalação de Moretz no papel principal, representa um movimento em direção a um perfil mais internacional. E embora o filme não entregue os sustos necessários para envolver totalmente os fãs do gênero mainstream, o senso evocativo de período de Liang e a tensão opressiva devem atrair a atenção.

O filme canaliza seu orçamento para as áreas onde é mais necessário, mantendo as locações ao mínimo. Muito disso acontece com Maude e a câmera amontoada na torre de bolas na parte inferior do avião, onde toda a equipe masculina a empurrou para mantê-la fora do caminho durante a decolagem. Mas isso não a impede de ouvir uma torrente de sexismo casual pelo sistema de comunicação. Tendo subido na aeronave com um pacote precioso, papéis do alto comando e um sotaque inglês, Maude logo se livra do último, e as perguntas começam a crescer entre a turbulenta tripulação sobre os dois primeiros.

Mas, como Maude tenta sem sucesso convencê-los, eles têm mais com que se preocupar do que a questão de saber se seus papéis são legítimos ou não. Aviões de caça japoneses os perseguem. E há outra ameaça, mais perto de casa. Algo está no avião com eles e suas intenções são ruins. Em relação a este último, e sem revelar muito, cabe questionar sobre a motivação do clandestino que parece querer arrancar pedaços da fuselagem até o avião cair – com ele, presumivelmente, ainda a bordo. Mas então, este é um filme que convida a muitas perguntas picantes – como, por exemplo, quando Maude é forçada a se agarrar à parte de baixo da asa de um avião voando que está sendo metralhado por balas, ela consegue manter o cabelo tão imaculadamente penteado? Por que, quando o filme se passa durante a Segunda Guerra Mundial, a trilha tem tantos sintetizadores inspirados nos anos 80 do estilo Morodor? E será que o momento logo após a descoberta de uma besta do inferno com garras inclinada sobre uma lata – abrindo o avião em pedaços seria realmente o momento em que os membros da tripulação mergulhariam em uma revelação profunda sobre seu status de relacionamento?

O prazer do filme é inversamente proporcional ao quanto o público se preocupa em obter respostas satisfatórias para essas perguntas. E como é emocionante ver os dois monstros derrotados com suas próprias armas.

Produtoras: Endeavor Content, Automatik, Four Knights Film, Rhea Films, Hercules Film Fund

Vendas internacionais: Endeavor Content

Produtores: Tom Hern, Brian Kavanaugh-Jones, Kelly McCormick, Fred Berger

Roteiro: Roseanne Liang, Max Landis

Edição: Tom Eagles

Cinematografia: Kit Fraser

Design de produção: Gary Mackay

Música: Mahuia Bridgman-Cooper

Elenco principal: Chloë Grace Moretz, Nick Robinson, Beulah Koale, Taylor John Smith, Callan Mulvey, Benedict Wall, Joe Witkowski, Byron Coll

Fonte

# Review, Shadow In The Cloud

Mais uma review de ‘Cameron Post’ traduzida saindo do forno! Desta vez, escolhemos o artigo publicado pelo IndieWire. Confira a seguir.

“The Miseducation of Cameron Post” é um drama humilde, afiado e extremamente emocionante sobre a chegada da maturidade, que se desenrola como um seriocomic “One Flew Over the Cuckoo’s Nest”, estabelecido em um campo de conversão gay para adolescentes cristãos em torno de 1993. Complete com Jennifer Ehle como um riff indomável na enfermeira Ratched, o filme cisa a enorme novela jovem adulta de Emily M. Danforth, do mesmo nome, para um filme sensível que corta o coração do assunto. Interpretada por Chloë Grace Moretz maravilhosamente discreta e inesgotável, Cameron Post é uma jovem estudante órfã que desenvolve alguns sentimentos muito bíblicos – e abençoadamente mutuais – por uma garota que ela conhece na escola dominical.

É tudo diversão inocente e dedilhada até que alguém encontre Cameron e sua amiga no banco traseiro de um carro na noite do baile. Isso é tudo o que é preciso para a tia evangélica de Cameron enviá-la para a Promessa de Deus, um retiro arborizado onde ela pode rezar o gay para fora. Porque nada torna mais fácil para um adolescente hormonal se purgar de um desejo estranho do que envolvê-lo com uma dúzia de outras crianças que estão tentando fazer o mesmo. Ótimo pensamento, freaks de Jesus.

Mas “Miseducation” está longe de ser uma brincadeira safada, que os filmes inferiores nos condicionaram a esperar de uma premissa como essa, o filme se aproxima muito mais do “Short Term 12” do que “But I’m a Cheerleader!” (sem desrespeito ao último, que chega em fins semelhantes através de meios extremamente diferentes). Dirigido por Desiree Akhavan com toda a inteligência e o dobro da ternura que ela trouxe para o brilhante “Appropriate Behavior” – uma história semi-autobiográfica que relatou seu próprio processo de sair do armário – essa adaptação não forçada é contada com a mesma preocupação que Cameron traz para Promessa de Deus.

Chegando ao retiro no norte do estado com nada além de um ceticismo saudável e um corte de cabelo que a faz parecer uma Hillary Clinton X-Men, Cameron é doutrinada num lugar onde as pessoas estão efetivamente programadas para odiar a si mesmas. E a julgar pelas outras crianças que ela conhece (várias das quais não são oferecidas o horário da tela que eles poderiam usar), a instituição está fazendo um trabalho bastante decente de tornar a América ‘ótima de novo’. A cantora de coral Helen Showalter (Melanie Ehrlich, nenhuma relação com este crítico) ficou convencida de que não era o corpo de uma garota que ela desejava, mas sim o tom perfeito. Erin (Emily Skeggs) ensinou que sua atração ao mesmo sexo é um subproduto pecaminoso de todos os esportes que ela assistiu com seu pai, os Minnesota Vikings supostamente instilando-a com um profundo senso de “confusão de gênero” que não é ajudado pela mulher no vídeo de treino “Blessercize”, ela faz as pantomimas todos os dias (para reiterar: é uma articulação de Desiree Akhavan, e assim você nunca está longe de ter uma boa piada).

No entanto, nem todos os discípulos estão comprando a retórica. A primeira pessoa que Cameron conhece é uma amputada chamada Jane Fonda (Sasha Lane, com estreia em “American Honey”), que esconde maconha em sua perna protética e fuma com o amigo Adam (Forrest Goodluck) em suas caminhadas diárias. Mark (Owen Campbell) está preso em algum lugar do meio, ansioso para mudar, mas secretamente convencido de que ele não pode. Ele não está sozinho.

Parte do que faz essa história tão afetuosa é como delicadamente Akhavan e a co-roteirista Cecilia Frugiuel estabelecem que todas as crianças querem mudar. A Promessa de Deus usa a vergonha de criticar seus jovens convidados em submissão, e é uma arma super efetiva; “Estou cansada de sentir-me enojada comigo mesma” Cameron finalmente lamenta, e é difícil culpá-la. Ela não pode ser uma pessoa de fé, mas você não precisa acreditar em Jesus para sentir que ele não acredita em você.

Até certo ponto, é um sentimento que todos os adolescentes (ou antigos adolescentes) podem apreciar. Existe um enorme risco em tentar fazer um filme que atenda igualmente às pessoas que são e às pessoas não são (gays) – que funciona como um espelho e uma janela – e enquanto este crítico só pode falar com a metade dessa equação, “Miseducation” claramente reconhece que quase todos as crianças se sentem como um tipo de aberração, mesmo que apenas alguns deles sejam desumanizados por serem diferentes. Todos nós, finalmente, temos que decidir por nós mesmos o que é errado e o que é certo.

As amplas composições de Akhavan e as longas tomadas de forma inofensiva proporcionam bastante espaço para que seus personagens sintam as coisas, cada momento de silêncio e uma polegada quadrada de espaço negativo, convidando-os a questionarem se eles deveriam tomar a Promessa de Deus em sua palavra. Se as crianças evocam John Hughes, seu ambiente cheira a Todd Haynes.

Isso é especialmente verdadeiro para o Reverendo Rick, o conselheiro bigodudo que está guiando seus discípulos através do mesmo currículo que uma vez o corrigiu. Interpretado por John Gallagher Jr., Rick ensina a essas crianças uma verdade que ele sinceramente quer acreditar, mas o desejo nem sempre é suficiente (embora muitas vezes seja demais). A empatia que este filme reserva para ele em seu último ato é extraordinária; até sua irmã, a implacável Dra. Lydia Marsh (Ehle), tem espaço para a redenção. Talvez. Se você observar.

Mas Akhavan obriga você a observar. “The Miseducation of Cameron Post” é um filme pequeno, muito modesto e sabendo se render ao melodrama e aplicar correções cosméticas a feridas profundas (o grande discurso do filme é a cena menos convincente), mas articula lindamente a necessidade de jovens em perceber a validade de quem eles são, e mais belamente cristaliza o momento em que isso começa a acontecer. Em outras palavras, este filme é o pior pesadelo de Mike Pence, e é tão necessário agora como poderia ter sido em 1993. “Estamos tentando desfazer as coisas que fizemos à sua idade”, diz o professor de estudos da Bíblia de Cameron, mas adultos nem sempre têm todas as respostas. Às vezes, eles nem têm as perguntas certas.

Nota: B+

“The Miseducation of Cameron Post” estreou na Competição de Drama americano do Sundance Film Festival de 2018. Atualmente, está procurando distribuição.

Fonte | Tradução: Bruna Rafaela – CMBR

# Notícias, Review, The Miseducation of Cameron Post

Já temos a primeira review sobre o filme “The Miseducation of Cameron Post”. Confira a seguir o artigo publicado pelo The Hollywood Reporter, traduzido pela nossa equipe:

Chloe Grace Moretz estrela nesta comédia dramática como uma adolescente enviada para um campo de conversão cristão para curá-la de suas tendências lésbicas no último filme da diretora Desiree Akhavan.

The Miseducation de Cameron Post é facilmente o melhor filme sobre uma lésbica adolescente compelida a ir a um campo de conversão cristão desde o subestimado, But I’m a Cheerleader (1999). Ok, é certo que é um campo de competição muito pequeno. No entanto, isso não altera o fato de que esta obra de Desiree Akhavan (Appropriate Behavior) é um deleite, mais sombrio em tom do que Cheerleader, mas ainda generosamente salpicada de humor mordaz e aquecida por um espírito generoso que se estende a compreensão, se não perdão, mesmo para os personagens fanáticos religiosos.

Co-escrita por Akhavan e sua parceira de roteiro em Behavior, Cecilia Frugiuele, baseada em uma novela de Emily M. Danforth, esta história dos anos 1990 segue a atleta de pista do ensino médio Cameron (Chloe Grace Moretz) para uma escola evangélica dedicada a “curar” ela da atração ao mesmo sexo. A fama de Moretz deve garantir pelo menos uma distribuição de nicho além do circuito do festival, e com o tipo certo de empurrão, isso poderia encontrar facilmente um público mais amplo além dos óbvios grupos LGBT e adolescente.

Ao se distribuir para a adaptação, apenas a parte posterior da história de Danforth, de quase uma abrangente década, o roteiro começa em 1993 com a heroína titular, uma órfã desde que seus pais morreram em um acidente de carro anos antes, já desfrutando de um relacionamento sexual secreto com a sua melhor amiga – Coley (Quinn Shephard). As duas frequentam regularmente a escola dominical juntas. Quando estão sozinhas, elas gostam de assistir filmes como o romance de lésbicas Desert Hearts em VHS e fazer amor com o tipo de fome apenas possível para jovens que experimentam o primeiro amor.

Infelizmente, quando elas são pegas em um momento com as calcinhas em torno de seus joelhos em um carro durante o baile da escola, a tia de Cameron e guardiã legal, Ruth (Kerry Butler), entrega Cameron a um internato privado em um lugar rural no meio do nada, especializado em terapia de conversão anti-gay, chamado Promessa de Deus. A instituição é dirigida pela sinistra Dra. Lydia Marsh (Jennifer Ehle), uma “vilã da Disney”, como um dos alunos a descreve. Ela usa seu treinamento em psicologia e terapia com um grande traço de dogma cristão para desgastar a resistência dos residentes e convencê-los de que sua atração pelo mesmo sexo é o resultado de trauma, pais pobres ou quem quer que eles possam achar culpados. O cúmplice de Lydia é o seu irmão Reverendo Rick (John Gallagher Jr.), que já foi “perdido” para o mundo dos bares gay, mas agora é encontrado e propenso a compartilhar esse fato e seu amor a Deus através da música e da guitarra com a menor das provocações.

Tímida e não certa se deve expressar resistência ou ceder à lavagem cerebral, Cameron examina o amplo espectro dos adolescentes na escola para ver onde ela se enquadra, um padrão de trama clássica de ensino médio dada uma reviravolta queer aqui. Algumas das crianças, como a nova companheira de quarto de Cameron, Erin (Emily Skeggs) estão desesperadas para obter o programa e se redefinirem como héteros. Outras, como a garota nascida em uma cominidade hippie, Jane Fonda (Sasha Lane, provando que sua estreia em American Honey não era um acaso) e Adam (Forrest Goodluck, The Revenant), um garoto nativo americano epiceno, sabe que a pedagogia de Lydia e Rick é insensata e emocionalmente abusiva, mas não têm escolha senão uma falsa conformidade. Eventualmente, Cameron se apaixona por seu micro-clique, encontrando neles uma rede de apoio secreto para ajudá-la a sobreviver.

O filme não negligencia ao mostrar que nem todas as crianças são tão sortudas. Em uma cena desenfreada, um menino chamado Mark (Owen Campbell, dando uma performance abrasadora), até agora um dos casos de “sucesso” da escola e um modelo de heterossexualidade falsa, tem um colapso em uma terapia de grupo que leva a um cenário ainda pior dos eventos.

Akhavan extrai performances finamente em camadas de seu elenco. Moretz escava mais profundo do que tem feito em anos para uma curva de liderança sensível que harmoniza especialmente bem com seus co-stars. Elogios particulares são devidos à Gallagher e Campbell, que projetam tocantemente pessoas desesperadas para vestir uma pele de “normalidade” que é tão friável quanto um tecido úmido. Ainda assim, as dores são tomadas para mostrar como os personagens jovens são parecidos com os adolescentes em todos os lugares, ansiosos para irem ao baile, mesmo que seja para um combo de batidas de rock cristão ou para dublar com um bobos abandonados para ‘What’s Up?’, do 4 Non Blondes. O uso da música é adepto e não menos importante, graças à distintiva e às vezes estranha trilha sonora original de Julian Wass.

Local: Sundance Film Festival (Competição de Drama Americano)
Produção: A Beachside presentation of a Parkville Pictures, Beachside production
Elenco: Chloe Grace Moretz, John Gallagher Jr., Sasha Lane, Forrest Goodluck, Marin Ireland, Owen Campbell, Kerry Butler, Quinn Shephard, Emily Skeggs, Melanie Ehrlich, Isaac Jin Solstein, Dalton Harrod, Jennifer Ehle
Direção: Desiree Akhavan
Roteiro: Desiree Akhavan, Cecilia Frugiuele, baseado no livro de Emily M. Danforth
Produtores: Cecilia Frugiuele, Jonathan Montepare, Michael B. Clark, Alex Turtletaub
Produtores executivos: Desiree Akhavan, Olivier Kaempfer
Direção de fotografia: Ashley Connor
Designer de produção: Markus Kirshner
Designer de figurino: Stacey Berman
Editor: Sara Shaw
Música: Julian Wass
Supervisores de trilha sonora: Maggie Phillips, Christine Greene Roe
Escalação de elenco: Jessica Daniels
Vendas: Elle Driver

90 minutos

Fonte | Tradução: Bruna Rafaela – CMBR

# Review, The Miseducation of Cameron Post