Sejam bem-vindos ao Chloe Moretz Brasil, sua principal fonte sobre a atriz americana, conhecida pelos papéis de Hit-Girl em Kick-Ass, Mia em Se eu Ficar e Cassie Sullivan em A 5ª Onda. O CMBR é um site feito de fã para fã, com o objetivo de informar e entreter aqueles que acompanham a carreira de Chloe. Sintam-se livres para desfrutar e compartilhar nosso conteúdo, que varia desde fotos, vídeos, notícias, à matérias traduzidas. Voltem sempre!

Na noite de quinta, 02/08, Chloe esteve presente no programa The Late Show with Stephen Colbert para divulgar “Cameron Post”. Confira fotos da atriz chegando aos estúdios e o vídeo da entrevista a seguir.

Na última quinta-feira, dia 2 de agosto, Chloë esteve presente no AOL Build em New York. Confira fotos na galeria e o vídeo completo da entrevista:

Para a divulgar “Cameron Post”, Chloe concedeu uma entrevista à PAPER e posou para duas fotos, confira a seguir:

Terapia de conversão gay não funciona. É intolerante, abusivo, cruel. E de acordo com um estudo da UCLA, cerca de 700.000 pessoas LGBTQ nos Estados Unidos passaram por isso.

The Miseducation of Cameron Post, o filme vencedor do Prêmio do Júri no Sundance, da diretora de Appropriate Behavior, Desiree Akhavan, aborda os horrores da terapia de conversão. O filme do início dos anos 90 (um herdeiro para But I’m a Cheerleader) segue o personagem-título, Cameron (Chloë Grace Moretz), depois que ela foi pega com sua namorada secreta no banco de trás de um carro. Ela é enviada para um programa evangélico chamado Promessa de Deus, onde adolescentes desafortunados aprendem que esportes podem encorajar “confusão de gênero”, a masturbação é um pecado e ouvir aos Breeders é, tragicamente, proibido. Numerosas cenas, incluindo uma onde “SSA” (atração pelo mesmo sexo) é comparada ao canibalismo, foram inspiradas por entrevistas com sobreviventes.

Cameron Post, que também é estrelado por Sasha Lane e Forrest Goodluck, de The Revenant, é ao mesmo tempo sinistro e sombriamente engraçado, uma manobra inteligente sobre a infindável nostalgia da cultura pop dos anos 90. E Moretz é muito, muito boa nisso. É um novo território para a atriz de 21 anos, que escolheu o roteiro depois de um ano e meio de férias da atuação. Ela falou com a PAPER sobre o filme, a importância de levar pessoas queers para trás das câmeras, o trema essencial em seu nome, e a história de Kim Kardashian que simplesmente não vai morrer.

Por que essa história foi importante para você? O que te atraiu para este filme?

Algumas razões diferentes. Antes deste filme, eu tirei cerca de um ano e meio de férias, e eu realmente queria ter certeza de que os projetos que eu participaria realmente tinham uma razão para mim, e que eles me atingiram num lugar onde eu senti que não poderia deixar de fazê-los. E assim, este filme realmente checou todos estes itens para mim. Primeiro de tudo, eu acho que foi a mais bonita representação adequada de ser uma jovem gay e conhecer outros gays como você pela primeira vez, e como é a sensação e o como se parece. E tenho dois irmãos gays na minha família, sempre fui uma defensora inerente da comunidade LGBTQ. Foi a abordagem mais naturalista, e realmente acendeu um fogo sobre mim. Eu não pude deixar de fazer este filme.

O que seus irmãos acharam do filme?

Eles adoraram. Meu irmão Trevor esteve comigo todos os dias no set. Ele é maravilhoso.

Desiree Akhavan se identifica como bissexual e há muitas pessoas queers envolvidas no filme. Como você acha que afeta o olhar do filme, ao contrário de filmes sobre pessoas queers que são feitos por pessoas heterossexuais? Tem havido muitos desses.

Há muitos deles atualmente. Essa é realmente uma pergunta maravilhosa que você fez, e algo sobre o qual tenho pensado bastante neste ciclo de divulgação. O que eu realmente quero demonstrar é que esta é uma história sobre a terapia de conversão gay, e essa é uma história tão delicada que tem que ser contada por pessoas queers para pessoas queers através de uma lente queer. Eu acho que o que você verá é realmente – você viu o filme, então eu acho que o que transparece fortemente neste filme é uma sensação de que não é – ele não foca nas práticas sombrias dentro do filme. Não se concentra apenas na tristeza. Quando você está realmente passando por essas revelações de sua sexualidade e quem você é e o que você é, você não está sentado lá chafurdando em tristeza todos os dias; Você está tentando encontrar uma luz no fim do túnel. Você está tentando encontrar o seu lado bom.

Você pode sentir isso no filme porque há muita escuridão latente. Mas há alguns pontos altos bonitos e há alguns momentos cômicos realmente impressionantes para ajudar essas crianças a passar pela vida em que estão presas neste campo de terapia de conversão. Eu acho que ser filmado através de uma lente queer, sendo escrito através de uma lente queer, sendo editado através de uma lente queer, é a única maneira que este filme precisava ser tratado. E essa é a única maneira pela qual os filmes queer devem ser tratados. Eu acho injusto, de várias maneiras, que diretores e roteiristas façam um filme queer quando eles honestamente não têm controle sobre o que é ser uma pessoa queer.

Eu amei as cenas de sexo. Elas foram filmadas lindamente, elas não parecem exploradoras. O que você acha do produto acabado?

Isso é algo sobre o que eu falo muito, porque é uma representação exata – é o exemplo perfeito do olhar feminino. É filmado por uma mulher. Nossa DP era Ashley Connor, obviamente, há a nossa diretora, Desiree Akhavan. E o que eu acho tão interessante sobre elas é o fato de elas serem observacionais. Elas não são voyeuristas. Elas não fazem close-ups nos seios ou no mamilo. Você não tem um close na bunda. Não é sobre isso. Centra-se na progressão da história, na progressão e na construção de confiança dentro dela, dentro de sua própria sexualidade, e quão bonito isso é e quão terno é encontrar esse momento em sua vida quando você se conecta com quem você é, e essa revelação que vem disso. E eu acho que são cenas de sexo muito bonitas. Eu acho que elas são incrivelmente progressivas para a história e combinam com as personagens.

A cena em que cantam 4 Non-Blondes foi ótima. Como foi filmar?

Foi maravilhoso. Nós nos divertimos muito. Foi realmente muito louco porque esse foi o dia em que acordamos, e todos perceberam na América que o presidente Trump foi eleito, e Hillary Clinton teve que admitir. Então esse foi um dia realmente chocante, e aconteceu de cair no dia em que tivemos que fazer aquela cena. E assim nós realmente canalizamos toda a tristeza e energia que fluía disso. Nós empurramos para aquela cena. E é por isso que eu acho que isso acontece de forma tão orgânica. Foi muito, mas definitivamente também acho um momento divertido dos anos 90 no filme.

Em uma nota mais clara, como você se sente sobre o trema em seu nome? Você gosta disso? Eu amo tremas.

Eu amo tremas! Eles são únicos e eles realmente se destacam. E quando eu era uma garotinha, eles sempre me faziam diferente, e eu gostava disso. E tecnicamente, eles estão corretos porque sem o sotaque sobre o “e”, nós o pronunciaríamos “Clo”, porque o “E” segue o “O”.

E finalmente: você está tão cansada de falar sobre Kim Kardashian?
Sim. Estou tão cansada disso.

FonteTradução: Bruna Rafaela – CMBR

Apesar de não concorrer a nenhuma indicação do Teen Choice Awards deste ano, a atriz Chloe Moretz foi confirmada para participar da premiação.

O evento será apresentado pelo ator e comediante Nick Cannon e transmitido ao vivo em 13 de Agosto.

Fonte





Chloë Moretz Brasil é um fansite não-oficial sem fins lucrativos. Não possuímos nenhum contato com a Chloë, seu agente, sua família, amigos, etc. Pedimos que os arquivos traduzidos pela equipe do site, assim como conteúdos pesquisados e editados por nós, sejam sempre creditados quando usados em outro site. Se há algo seu aqui e você gostaria que nós retirássemos, por favor entre em contato conosco antes de tomar qualquer ação legal.