Sejam bem-vindos ao Chloe Moretz Brasil, sua principal fonte sobre a atriz americana, conhecida pelos papéis de Hit-Girl em Kick-Ass, Mia em Se eu Ficar e Cassie Sullivan em A 5ª Onda. O CMBR é um site feito de fã para fã, com o objetivo de informar e entreter aqueles que acompanham a carreira de Chloe. Sintam-se livres para desfrutar e compartilhar nosso conteúdo, que varia desde fotos, vídeos, notícias, à matérias traduzidas. Voltem sempre!

Os scans da edição da AnOther Magazine saíram e conseguimos retirar muitas imagens do photoshoot com Chloe, confira na galeria:

A revista californiana Palm Springs Life trouxe em sua edição especial “Desert Living Edition”, lançada no mês de setembro, Chloe Moretz em sua capa com uma nova entrevista e sessão de fotos. Nós traduzimos com exclusividade e adicionamos imagens na galeria, confira:

Tendo cruzado a fronteira de estrela infantil para atriz principal, Chloë Grace Moretz está exercendo sua influência para inspirar a próxima geração a moldar a mudança cultural. Mas, até mesmo ela precisa de um fim de semana de descanso de vez em quando.

Moretz aparece em Suspiria, de Luca Guadagnino, indicado ao Festival de Cinema de Veneza, que estreia nos cinemas americanos no próximo mês. Ela também estrela a animação Red Shoes & the 7 Dwarfs, o thriller de Neil Jordan, Greta, e uma nova versão animada de A Familia Addams (lançamento em outubro de 2019) ao lado das vozes de Charlize Theron, Oscar Isaac, Nick Kroll e Allison Janney…

Depois de sua sessão de fotos para a Palm Springs Life (Setembro de 2018), Moretz teve tempo para discutir seus filmes, seus mentores e… sua potencial candidatura para o Congresso.

Qual é o seu final de semana ideal em Palm Springs?

Há anos, estamos indo à Palm Springs em família. Nós geralmente saímos quando está muito, muito quente. São 110 graus durante o dia e você apenas senta à beira da piscina e transpira o dia todo.

Os amantes do inverno vão pensar que você é louca. Por que vem quando está quente?

É meio divertido. Você tem os resorts para si mesmo – em um lugar como o Parker, que normalmente é meio maluco, [você está lá] sem todos no caminho.

Esse tempo de inatividade é necessário quando você tem um cronograma tão carregado. The Miseducation of Cameron Post foi lançado no dia 3 de agosto. Dê-nos um breve resumo do enredo.

É um filme sobre uma jovem chamada Cameron Post. Ela é pega saindo com sua melhor amiga na parte de trás do carro do namorado, e sua tia a manda para um campo de terapia de conversão. Basicamente, ele está focado nas relações interpessoais de conhecer outras crianças gays como ela pela primeira vez e os momentos cômicos e desajeitados que são encontrados em alguns dos momentos mais sombrios da vida.

Foi um projeto de pesquisa intensiva. Como foi o processo de produção?

A comunidade realmente se uniu em torno de nós. Particularmente, enquanto estávamos em pré-produção, conversamos com muitos sobreviventes da terapia de conversão porque queríamos que fosse tão fiel à história deles quanto pudéssemos fazer. A coisa que realmente aprendemos nas conversas foi a diversidade dos rostos da terapia de conversão. Não havia uma religião. Não havia um espaço socioeconômico. Não foi uma corrida.

Você pode compartilhar uma narrativa que se destacou?

Uma história que realmente nos atingiu foi de um garoto de 16 anos cujo pai era imigrante – ele veio para a América e teve que trabalhar muito, muito duro para chegar ao lugar onde estava. Aos seus olhos, ele achava que estava dando ao filho mais oportunidades “tirando o gay dele”.

Atuar em cenas tão carregadas de emoção deve ser pesado. De todos os sets de filmagem em que você trabalhou, qual foi o mais divertido?

Dark Shadows, porque Tim Burton realmente me deixou fazer o que eu queria – não havia, “Não.” Era só: “Vá em frente! Faça 10 vezes mais do que você imagina. Ele estava fora da caixinha, selvagem, um cara realmente ótimo.

Qual é o seu show dos sonhos? Se você pudesse assumir qualquer papel no cinema ou na televisão, passado ou presente, qual seria?

Eu adoraria fazer uma versão longa do Gone With the Wind.

Vamos falar sobre Greta, de Neil Jordan, com lançamento previsto para 2019. É um filme maravilhoso sobre uma jovem que perde sua mãe e tem esse buraco no coração que ela está tentando preencher. Ela conhece uma mulher que preenche essa lacuna. De lá, são necessárias voltas e reviravoltas realmente loucas, e você está preso na ponta do seu assento imaginando o que vai acontecer a seguir.

Momento favorito no set de Jordan?

Trabalhar com Isabelle Huppert. Isabel e Julie [Julianne Moore] são provavelmente minha duas maiores mentoras. Eu poderia literalmente ligar para qualquer uma delas em 20 minutos e elas me dariam as respostas mais honestas para o que quer que eu estivesse perguntando. Isso é uma bênção, e é muito raro encontrar pessoas assim nessa indústria – especialmente mulheres nesse nível.

Melhor conselho de uma de suas mentoras?

Foi realmente de Julianne Moore, quando eu tinha 14 anos em Carrie, que me ensinou o que significava ter sua própria voz. Ela me ensinou que se você ver alguma coisa, diga alguma coisa. Se alguém estava sendo mal falado no set, é seu direito como líder dizer: “Você não faz isso no meu set”. Ela realmente me ensinou, de várias formas, como ser uma atriz honesta, como ser uma profissional e se divertir, como fazer seus momentos em uma cena muito escura incríveis. Eu nunca me diverti mais do que com ela, e estávamos fazendo um dos materiais mais sombrios que já fiz. Eu devo muito de quem eu sou hoje à ela.

Outra figura proeminente em sua vida: Hillary Clinton.

Eu conheci Hillary quando tinha 17 anos. Eu sempre fui fã dela como palestrante, como pessoa e como inspiração para jovens mulheres, uma mulher que está abrindo caminho para todas nós. Eu fui realmente abençoada por ela me pedir para falar no DNC. Eu já estava fazendo muita campanha por ela. Eu estava em Nevada. Eu fui para o Michigan. Fui às faculdades e conversei com adolescentes e jovens de 20 anos sobre a importância de votar. O DNC foi a experiência mais louca de todas.

Você tem sido vocal sobre questões sérias, como homofobia, desde muito nova. De onde é que esse interesse político se enraizou?

Eu tenho dois irmãos gays. Eu era, sem questionar, uma defensora da comunidade LGBTQ. Eu estava inerentemente ciente sobre os seus direitos e o fato de que, quando eu era mais jovem, eles não podiam se casar se quisessem. Além disso, cresci com uma mãe solo. Minha mãe era uma pessoa muito forte e empurrou isso para mim. Ela, junto com meus irmãos, me ensinou a amar e respeitar a auto-educação – ler e manter-se ciente das questões com as quais você quer se importar. Quando Obama venceu, eu era relativamente jovem, mas lembro de ter visto toda a minha família assistindo ao debate e descobrindo, aos 8 ou 9 anos, o que era a democracia e qual era o nosso sistema.

Devemos esperar que o nome “Chloë Grace Moretz” apareça em uma votação futura?

[Risos] Sim, sim, eu sei. Eu pensei sobre, quando estiver mais velha, potencialmente fazer parte do Congresso ou do Senado e fazer algo assim. Em 2020, já estou procurando candidatos, de Gillibrand a Booker, a Sanders e a Elizabeth Warren. Eu estou ouvindo e estou assistindo. Minha geração, esperançosamente, finalmente colocará seu dinheiro onde estão suas bocas e sairá lá e votará e realmente tropeçará, ao invés de sentar tipo “Estou infeliz, mas eu não vou fazer nada sobre isso”.

Qual é a sua mensagem para a próxima onda de eleitores?

Minha maior coisa é: para quem quer que você esteja votando, legislador estadual [ou] presidente, eduque-se – e, também, apenas tenha uma opinião. Descobrir qual é a sua opinião e ter uma postura e ouvir e educar-se.

E qual é o seu lema de vida?

Nunca perca de vista a sua verdadeira paixão e não se envolva com o bem ou o mal. Fique com você mesmo. Se você for dormir à noite e sua consciência estiver limpa e seu coração estiver aberto, essa é a única coisa que você pode realmente esperar neste mundo.

FonteTradução: Bruna Rafaela – CMBR

A revista Vanity Fair Itália trouxe em sua edição de número 35 o elenco de Suspiria em photoshoot e entrevista exclusivos. Além disso, foi liberado um novo pôster do filme, confira:

Vanity Fair dedica sua capa ao remake do horror de Dario Argento e, antes de levá-lo à Veneza, Tilda Swinton e todo o elenco é entrevistado.

“Quando conheci Guadagnino em 1996, já tinha visto Suspiria de Dario Argento. A primeira vez foi na época da Universidade, na Arts Cinema, em Cambridge. Mas eu nunca havia conhecido alguém antes, com quem pudesse compartilhar meu entusiasmo quanto compartilho com ele. Luca sempre foi possuído pela ideia de Suspiria. Em todos os nossos projetos e sonhos de longo prazo, Suspiria sempre esteve lá, por baixo de tudo, um coração pulsante. Estou muito orgulhoso do fato de termos chegado ao fundo e de que Luke trouxe o navio para um porto seguro e saudável.”

Então Tilda Swinton, no número 35 da Vanity Fair nas bancas até o dia 5 de setembro, conta a gênese do filme dirigido por Luca Guadagnino, em competição no Festival de Cinema de Veneza. A história da capa e da moda especial da revista claramente inspirada no filme é dedicada à atriz e a todo o elenco de Suspiria. Tilda e os outros artistas do filme (Dakota Johnson, Mia Goth, Chloë Grace Moretz, Jessica Harper, Malgosia Bela) foram fotografados por Jason Bell em uma produção exclusiva.

Na entrevista, Swinton conta como trabalhou na personagem da assustadora Madame Blanc, inspirada na coreógrafa Mary Wigman, pioneira na Alemanha entre as duas guerras da chamada dança livre “existencial”. “Sua criação mais famosa é Hexentanz (Dance of the Witches, ed) e eu me refiro muito aos seus gestos”, explica ele.

O novo Suspiria – ao contrário do filme de Argento que ocorreu em Fribourg em uma academia de balé clássico – é ambientada em Berlim em uma escola de dança contemporânea em 1977. Naqueles anos Tilda era uma adolescente e, porque seu pai era um militar baseado na Alemanha, tem memórias muito vivas da atmosfera da época. “Lembro-me muito bem dos trágicos eventos nas Olimpíadas de Munique vistos na televisão durante as férias de verão de 1972, lembro-me dos rostos de Ulrike Meinhof e Andreas Baader acabados de ser presos, mostrados em todo lugar, como se fossem astros do rock, me lembro das buscas detalhadas do carro de meu pai em geral, um sentimento de precariedade talvez fisiológico aos 16 anos, mas que, para mim, tinha algo ainda mais forte.”

Desde que conheceu Guadagnino, Swinton sempre trabalhou com ele. Seus filmes juntos (The Protagonists, 1999, Um Sonho de Amor, 2009 e A Bigger Splash, 2015) participaram do Festival de Cinema de Veneza. Uma das memórias mais engraçadas desta amizade artística? “Naquela vez estávamos vestidos como múmias com rolos de papel higiênico de um monte de crianças chorando para uma festa de Halloween na Escócia.”

Fonte





Chloë Moretz Brasil é um fansite não-oficial sem fins lucrativos. Não possuímos nenhum contato com a Chloë, seu agente, sua família, amigos, etc. Pedimos que os arquivos traduzidos pela equipe do site, assim como conteúdos pesquisados e editados por nós, sejam sempre creditados quando usados em outro site. Se há algo seu aqui e você gostaria que nós retirássemos, por favor entre em contato conosco antes de tomar qualquer ação legal.