Sejam bem-vindos ao Chloe Moretz Brasil, sua principal fonte sobre a atriz americana, conhecida pelos papéis de Hit-Girl em Kick-Ass, Mia em Se eu Ficar e Cassie Sullivan em A 5ª Onda. O CMBR é um site feito de fã para fã, com o objetivo de informar e entreter aqueles que acompanham a carreira de Chloe. Sintam-se livres para desfrutar e compartilhar nosso conteúdo, que varia desde fotos, vídeos, notícias, à matérias traduzidas. Voltem sempre!

Como postado aqui, o The New York Times publicou artigo sobre Chloë Moretz. O texto fala basicamente sobre sua participação na peça “The Library”, porque ela foi escolhida para o papel e a evolução de sua carreira e, por outro lado, também nos mostra o quanto Chloë é querida e respeitada pelas pessoas com quem ela trabalha/trabalhou. Leia a tradução a seguir.

Enquanto o público toma os seus lugares para “The Library”, uma nova peça no Public Theater escrita por Scott Z. Burns e dirigida por Steven Soderbergh, sua atriz principal, Chloë Grace Moretz, já está no palco.

Interpretando uma colegial vítima de tiroteio que acorda em um hospital para enfrentar lembranças conflitantes do evento, Moretz, de 17 anos, gasta esses 10 a 15 minutos antes de cada show deitada silenciosamente sobre uma mesa, tentando ficar no personagem e sintonizar os espectadores frenéticos que ela pode ouvir na casa.

“É meio estranho”, disse Moretz há poucos dias, adicionando um sarcástico rolar de olhos. “Você ouve: ‘Oh, nós não conseguimos reservas hoje à noite’, ‘O jantar foi de US$ 400’. E eu penso, ‘Oh meu Deus, cara, cala a boca'”

Trata-se tanto de petulância adolescente quanto se pode extrair de Moretz, uma atriz extraordinariamente equilibrada com um currículo de créditos no cinema – a sátira de super-heróis “Kick-Ass”, a fantasia de época “A Invenção de Hugo Cabret”, um remake encharcado de sangue de “Carrie – A Estranha” – e um comportamento maduro para rivalizar com artistas com o dobro de sua idade.

Em uma indústria de entretenimento povoada por Mileys selvagens, Justins enlouquecidos e Lindsays abandonadas, onde a chegada do próprio aniversário de 18 anos significa que é hora de perder suas inibições, suas roupas ou sua relevância, Moretz pode ser capaz de romper esse padrão deprimentemente familiar.

Seus colaboradores em “The Library” dizem que ela já é surpreendentemente equipada para lidar com realidades adultas e pronta para ser encarregada de responsabilidades artísticas significativas.

“Ela é tão centrada e equilibrada, e claro, no que precisa ser feito”, disse Soderbergh, o diretor vencedor do Oscar e do Emmy por “Traffic: Ninguém Sai Limpo e “Behind the Candelabra”.

“Não vi nenhuma indicação de que ela se coloca no centro do processo de trabalho na peça”, acrescentou. “Ela está lá para contar a história”.

Como Moretz, que está fazendo sua estreia nos palcos em “The Library”, colocou: “Estou muito confiante em mim mesma. Mas até até chegar nisto, estava o mais insegura possível, o que me deixou animada”.

Em uma tarde de abril, ela estava sentada no restaurante em cima do Public (também chamado de Library), com a mãe, Teri, e um assessor de imprensa posicionado algumas mesas de distância, enquanto ela comparou-se a outras pessoas de sua idade.

“Jovens de dezessete anos lidam com problemas emocionais”, disse Moretz. “Eles são volúveis, e estão confusos. Tudo é um processo para eles”.

“Não estou dizendo que eu não sou assim”, ela continuou. “Eu sou muito parecida com isso. Sou mal-humorada, e as coisas acontecem, e mamãe pode definitivamente dizer-lhe que é muito verdadeiro”. (De seu assento, Teri Moretz assentiu com conhecimento de causa).

O que faz dela diferente, Moretz disse, é que ela pode distinguir “entre a minha vida e meu trabalho, e eu nunca misturo os dois”.

Ela foi aprendendo a andar nessa linha desde que ela entrou no show business com 5 anos, e ganhou notoriedade em filmes como “(500) Dias om Ela” e “Kick-Ass”, no qual ela interpretou uma adolescente justiceira com um vocabulário obsceno.

Promovendo o filme aos 13 anos, Moretz recheava suas respostas às perguntas de um repórter com suas ocasionais performances improvisadas de músicas favoritas de Lady Gaga.

Quatro anos depois, ela está menos ruidosa e mais composta, a um grau quase assustador. Mas outros aspectos da sua vida não mudaram: ela ainda troca ideias sobre sua carreira em estreita colaboração com a sua mãe, que a criou como mãe solteira, e seu irmão mais velho Trevor, que também é seu treinador de atores.

Seja qual for a decisão que ela toma, na escolha de quais papéis interpretar e como interpretá-los, Moretz disse que a responsabilidade era, em última análise, dela.

“Ninguém me submete a provação”, disse ela. “Eu mesma faço isso. Eu sou o lado mais pesado em mim mesma”.

Soderbergh disse que ele chegou a uma conclusão semelhante sobre Moretz, quando ele começou a discutir “The Library” com ela no ano passado, e encontrou uma atriz que queria mais do que as experiências fragmentadas que os filmes tinham oferecido a ela.

“Fazer um filme é um ato tão antinatural”, disse Soderbergh, cuja experiência de palco tem sido limitada às produções para a Louisiana State University e para a Companhia de Teatro de Sydney, na Austrália.

“Aqui, ela consegue ser um personagem do início ao fim, todas as noites”, disse ele. “Há um prazer nisso, na obtenção de uma resposta ao vivo, e descobrir que cada performance tem cores diferentes”.

Burns, que já havia escrito os filmes de Soderbergh “O Desinformante!”, “Contágio” e “Terapia de Risco”, disse que queria “The Library” para continuar suas explorações de eventos cujas verdades ocultas são mais profundas do que aquilo que é aparentemente conhecido.

“Na sequência de um trauma, todos nós gravitamos em torno de uma narrativa que é a cura ou congruente com nosso sistema de crenças”, disse ele. “Isso nos separa, em vez de nos unir”.

Desenhada do livro de não-ficção “Columbine”, de Dave Cullen, sobre o tiroteio em escola no Colorado em 1999, e da experiência de um sobrevivente, Valeen Schnurr, Burns criou uma história fictícia sobre uma jovem lutando para convencer sua família e comunidade a ver a verdade em seu relato de uma tragédia semelhante.

Burns comparou sua protagonista a Holden Caulfield de Salinger, que segundo ele é “jovem e ainda incrivelmente sábia, e muito exigente no que ela demanda do mundo ao seu redor”.

Para este papel, Soderbergh disse que ele foi atraído para Moretz baseado na “lista de tudo o que ela tem feito nos últimos três ou quatro anos”, e numa reputação geralmente autêntica que ela mantén em Hollywood.

Ainda assim, quando Teri e Trevor Moretz foram abordados com a oferta para ela aparecer em “The Library” (cujo elenco também conta com Jennifer Westfeldt e Lili Taylor), Moretz disse que eles lhe informaram que a peça seria apresentada em Chicago – só para ter certeza de que ela estava genuinamente interessada no roteiro, não em seus criadores A-list ou uma viagem para Nova Iorque.

Antes que ela soubesse a verdade completa, Moretz disse que ela respondeu a uma história que dramatizou as repercussões de um tiroteio em massa em vez do próprio tiroteio, e que não era uma crítica severa a favor ou contra o controle de armas.

Mais tarde, durante os ensaios, ela disse: “Eu vim para casa um dia, e eu simplesmente não conseguia parar de chorar. Nunca fui que afetada por um filme. É apenas uma peça que pode afetá-la tanto assim”.

Julianne Moore, que interpretou a mãe malfadada do Moretz no remake de “Carrie – A Estranha”, disse que ficou surpresa com sua capacidade de “olhar para a ligação, em vez da repulsão, na assustadora dinâmica mãe e filha”.

“Eu estava realmente impressionada com sua maturidade emocional e sua vontade de explorar as complicações do papel”, escreveu Moore em um e-mail. “Muitas vezes, os jovens atores antecipam as suas respostas ou são treinados em uma performance. Chloë é disponível, emocional e presente”.

A cineasta Lynn Shelton (“Humpday”, “Touchy Feely”), que dirigiu Moretz em seu próximo filme, “Laggies”, disse que a atriz não perdeu o contato com seu lado jovial.

“Ela pode explorar isso completamente”, Shelton disse sobre Moretz, que em “Laggies” interpreta uma adolescente problemática que tem uma amizade incomum com uma mulher sem rumo interpretada por Keira Knightley.

“Ela pode fazer você pensar que ela não é uma adolescente”, disse Shelton. Mas quando Moretz está trabalhando com outros atores de sua idade, ela disse, “tudo o que você fez foi ligar a câmera e colocá-los juntos em uma situação de festa do pijama, e bam, eles são adolescentes”.

Ainda assim, Moore escreveu que ela esperava que Moretz fcasse tempo suficiente em sua vida “para se divertir e não trabalhar muito duro”, que Moretz disse não era um problema para ela.

“Eu tenho uma ética de trabalho muito séria”, disse ela com uma risada que parecia perguntar: “Você acha?”

Durante seu tempo em Nova Iorque, ela disse que também tem patinado no gelo no Central Park e lanchado no Serendipity 3. O público pode vê-la de uma forma certa, próxima, ela disse: “Mas quando eu volto para casa, eu digo, ‘Vamos ligar na “Pequena Sereia”!’ Sou uma nerd total”.

Da meia dúzia de filmes que ela fez no ano passado, Moretz parecia especialmente animada para “Se Eu Ficar”, baseado no suspense de Gayle Forman sobre uma jovem que é deixada em coma após um acidente de carro. “É o tipo de filme que eu gosto de assistir – dramas adolescentes bobos sobre o menino e a menina”, disse ela. “Mas é muito mais interessante”.

Permitindo que sua voz alcançasse uma oitava anormalmente elevada, ela acrescentou com um gritinho exagerado, “Oh meu Deus, é tão bom”.

Quando ela completar seus estudos em casa, receberá seu diploma pelo correio e completa 18 anos no próximo ano, “Eu não vou fazer 50 cenas de sexo com nudez total”, disse Moretz. “Isso não vai acontecer”. Ela disse que iria continuar a procurar papéis apropriados no cinema, que continuem sua transição para a vida adulta, e que estava ansiosa para continuar seguindo trabalhando com sua mãe e irmão.

“Não me sinto sufocada”, disse ela. “Não sinto que eu não tenha experimentado qualquer coisa – eu experimentei mais. Eu seria uma idiota para dizer: ‘OK, paz, pessoal! Obrigado por nada!'”

Ainda assim, ela disse que iria participar do baile de concluintes do ensino médio de um amigo, só para ver o que é.

“Eu não preciso disso”, disse Moretz. “É típico. É divertido”.

Fonte | Tradução: Cristina – Chloë Moretz Brasil

Chloë Moretz Brasil é um fansite não-oficial sem fins lucrativos. Não possuímos nenhum contato com a Chloë, seu agente, sua família, amigos, etc. Pedimos que os arquivos traduzidos pela equipe do site, assim como conteúdos pesquisados e editados por nós, sejam sempre creditados quando usados em outro site. Se há algo seu aqui e você gostaria que nós retirássemos, por favor entre em contato conosco antes de tomar qualquer ação legal.